Seis baleados em ataque em Magé

Homens em bicicletas atacaram grupo no bairro Flexeiras

Por O Dia

Rio - Seis jovens foram baleados no fim da noite desta sexta-feira, no bairro Flexeiras, em Magé, na Baixada Fluminense. De acordo com o Serviço Reservado (P-2) do 34º BPM (Magé), dois homens em duas bicicletas dispararam contra o grupo, próximo à comunidade da Lagoa, controlada por bandidos da facção Amigos dos Amigos (ADA). Os criminosos fugiram.

Cinco vítimas foram socorridas ao Hospital Municipal de Magé, a maioria com ferimentos nos braços e nas pernas. O sexto está internado no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Saracuruna, Duque de Caxias. Ainda não há informações sobre seu estado de saúde. A polícia acredita que o incidente tenha motivação na guerra entre facções rivais. Um dos baleados tem passagem pela polícia. O caso foi registrado na 65ª DP (Magé).

O incidente em Magé ocorreu cerca de 24 horas após quatro pessoas serem mortas e dez ficarem feridas em nove ocorrências, em três municípios da Baixada Fluminense, noite de quinta-feira. Em São João de Meriti, o ex-PM Anderson da Paixão foi assassinado com mais de 15 tiros. Ele era investigado por atuação em uma milícia que atua na região e por participar de vários homicídios, segundo a polícia.

Em Nova iguaçu, no bairro de Comendador Soares, Giovani Elias foi morto por um grupo, no acesso à Rodovia Presidente Dutra. Segundo a polícia, ele, o pai e um funcionário deles jogavam entulho em um terreno baldio quando homens passaram pelo local. Desconfiados, os três tentaram ir embora, mas foram atacados a tiros pelos desconhecidos. Giovani ainda foi atendido na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro, mas não resistiu. O pai e o funcionário nada sofreram.

Já em Mesquita, cinco moradores do bairro de Édson Passos foram vítimas de balas perdidas, após uma tentativa de execução de um suposto traficante de drogas da região. Entre as vítimas que voltavam de uma igreja evangélica estavam uma criança de um ano e seis meses e a mãe dela. Encaminhadas ao hospital da região, ambas já receberam alta.

A Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) investiga as mortes.

Últimas de Rio De Janeiro