Rio registra oitava vítima de bala perdida em oito dias

Mulher foi baleada durante tiroteio no Morro do Juramento. Chefe do tráfico na comunidade morreu

Por O Dia

Rio - A oitava vítima de bala perdida na cidade em oito dias foi uma moradora do Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho. A mulher foi baleada na manhã deste sábado, em mais um intenso tiroteio entre traficantes rivais, que travam, há pelo menos uma semana, sangrenta guerra pelo controle do território. Até a noite de hoje, a moradora não foi identificada e estava internada na UPA de Irajá. Policiais do Bope e do 41º BPM (Irajá) fizeram operação na favela, trocaram tiros com criminosos e apreenderam 11 fuzis.

No fim da tarde, um dos chefes do tráfico local, Flávio Silva Mendonça, o Flavinho do Juramento, morreu depois de dar entrada ferido na UPA de Ricardo de Albuquerque. Segundo moradores, o tiroteio começou na noite de sexta-feira e se estendeu até o meio-dia de sábado. Dezenas de bandidos armados teriam se reunido e partido do Morro da Primavera para invadir o Juramento por volta das 23h. O grupo estaria liderado por Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy, o traficante mais procurado do Rio. O Disque-Denúncia (2253-1177) oferece recompensa de R$ 50 mil por informações que levem à sua captura.

Policiais do Bope apreenderam neste sábado vários fuzis durante operação no Morro do Juramento após novo tiroteio na comunidadeDivulgação

Pelo WhatsApp do DIA (98762-8248), moradores relataram o clima tenso. Um homem que vive há mais de 30 anos na região, informou que o pânico tomou conta do morro. “Nunca ouvi tanto tiro. Além dos rajadas, só era possível ouvir os moradores gritando para as pessoas saírem da rua. Ninguém conseguiu dormir ou sair de casa”.

Houve pânico também nas estações do BRT Transcarioca Marambaia e do metrô de Vicente Carvalho. Pela manhã, passageiros correram em busca de abrigo por conta dos tiros. A assessoria de imprensa do Metrô informou que a grade de uma das entradas chegou a ser fechada por 10 minutos.

Onze fuzis importados apreendidos

Os onze fuzis apreendidos pelo Bope na comunidade são importados e todos tinham diversos carregadores e munições. O material estava escondido na mata que cerca o Juramento. “São armas que entraram no país ilegalmente e representam uma ameaça para a população”, disse, através de nota, o comandante-geral da PM, coronel Alberto Pinheiro Neto. Ele classificou as últimas operações em comunidades como “a maior ofensiva contra o crime organizado dos últimos tempos.”

O caso, assim como o da moradora ferida, está sendo investigado pela 27ª DP (Vicente de Carvalho). A polícia aguarda que a vítima receba alta médica para prestar depoimento.

A guerra entre criminosos das facções Comando Vermelho e Amigos dos Amigos pelo controle do Juramento e comunidades vizinhas começou semana passada. Pelo menos oito criminosos teriam sido mortos. Quinta-feira, policiais do Comando de Operações Especiais (COE) prenderam sete pessoas e apreenderam 290 kg de maconha na região.

Últimas de Rio De Janeiro