Bloqueio na Escadaria Selarón vira alvo de briga entre prefeitura e moradores

Eles alegam que é para impedir venda e consumo de drogas, além de cenas de sexo nas escadas. Medida causa polêmica

Por O Dia

Rio - ‘No meio do caminho tinha uma corrente’. A adaptação do poema de Carlos Drummond de Andrade retrata o impasse que tomou conta dos degraus da Escadaria Selarón, em Santa Teresa. O ponto turístico está sendo alvo de uma polêmica. De um lado, os moradores, que há meses contrataram um segurança e adaptaram ali uma barreira de ferro e corrente para limitar o acesso noturno ao local. Eles alegam que é para impedir venda e consumo de drogas, além de cenas de sexo nas escadas. No outro, a prefeitura, que considera o fechamento da via pública irregular.

Na sexta-feira pela manhã, a Secretaria de Conservação e Serviços Públicos retirou os bastões de ferro e cortou os cadeados da corrente instalados no segundo lance de degraus, início da área residencial. À noite, no entanto, dois cones plásticos foram adaptados por moradores para basear a placa com o recado aos visitantes: “Área residencial. Visite com respeito. Para sua segurança, você está sendo filmado.” Ao lado, o segurança permanecia atento à movimentação de turistas.

Placa informa que a área é residencial e que os visitantes estão sendo filmados%2C para evitar abusosFernando Souza / Agência O Dia

“A escadaria virou um inferno depois da morte do Selarón. Uma cracolândia se instalou e eu os expulsei, por isso, recebi ameaças de morte, coisa que acontece até hoje. Os viciados estão roubando os azulejos, destruindo o local, consumindo drogas e fazendo sexo no local”, explicou uma das moradoras responsáveis pela instalação da corrente, que preferiu não se identificar.

O artista chileno Jorge Selarón, responsável por cobrir de azulejos coloridos os mais de 250 degraus da Escadaria do Convento de Santa Teresa, foi encontrado morto no dia 10 de janeiro de 2013. Seu corpo estava carbonizado, em frente a seu ateliê, localizado próximo ao ponto da instalação da corrente. Segundo os moradores, ele era o principal responsável pela manutenção e limpeza do local.

O problema com a venda de entorpecentes no local não é novidade. Há anos, criminosos se infiltram em meio a turistas e visitantes para repassar drogas. Durante as noites, principalmente nos fins de semana, jovens se aglomeram nos degraus e em volta de ambulantes, que comercializam bebidas alcoólica.

“Há uns meses, isso daqui virou um caso complicado. Você chegava de noite e tinha que pedir licença para subir os degraus. As pessoas faziam sexo na sua porta, falavam alto, consumiam drogas. E ainda te olhavam de cara feia. O que fizeram foi muito bom para todos nós, e hoje, podemos até tomar uma cervejinha do lado de fora”, avalia seu Francisco, um antigo morador.

A medida, no entanto, desagradou a frequentadores, principalmente turistas. O fotógrafo Luiz Souza, que há algumas semanas esteve no ponto turístico com uma amiga, estranhou a restrição. “Quando você diz que não é morador, o segurança te impede de passar do segundo lance de escadas. É lógico que entendemos o lado do morador, de estar incomodado com os inúmeros transtornos, mas aquilo é um patrimônio da cidade e alguém deve garantir a paz e o equilíbrio do local”.

Moradores da vizinhança contrataram segurança privada para impedir o acesso ao local à noite%3A motivos seriam venda e consumo de drogas%2C orgias sexuais e depredação Luiz Souza / Futura Press

Grupo vai tentar autorização para instalar dois portões

Mesmo diante da repressão por parte da prefeitura, os moradores pretendem brigar por regras para o local. Para tanto, irão entregar ao prefeito Eduardo Paes e secretarias competentes um abaixo-assinado solicitando a instalação de dois portões, um na parte baixa da escadaria e outro na parte alta, restringindo o acesso.

“Estamos abandonados e vamos exigir que a prefeitura nos dê o direito de nos proteger, colocando os portões, que poderão ficar abertos durante o dia, mas à noite, serão fechados. Há cerca de um ano, houve um caso de estupro seguido de morte em uma orgia com 12 pessoas, todas nuas, no alto da escada. Aqui moram crianças e idosos, minha mãe tem 75 anos de idade”, completou a moradora, garantindo que irá anexar imagens e vídeos aos documentos.

Lapa Presente e 5º BPM fazem rondas

?Embora agentes de Operação Lapa Presente (OLP), da Secretaria de Estado de Governo do Rio, e policiais do 5º BPM (Praça da Harmonia) circulem com frequência pelo local, a estratégia, segundo moradores, não é suficiente para coibir irregularidades no ponto turístico à noite.

Segundo o comando do 5° BPM (Praça da Harmonia), o policiamento na Lapa é feito com viaturas, e a ronda dos agentes inclui a região da escadaria. Para auxiliar o planejamento de efetivo em relação à mancha criminal, a Polícia Militar solicita aos moradores que registrem as ocorrências nas delegacias e comuniquem os fatos ao batalhão da área. Os telefones disponíveis são os da Ouvidoria das Polícias (3399 -1199) e Disque-Denúncia (2253-1177).

Últimas de Rio De Janeiro