Por thiago.antunes

Rio - Inteligência, bom humor e paixão pelo jornalismo. Estas qualidades marcaram a carreira de José Luiz Alcântara, chefe da sucursal do Rio do jornal ‘Estado de S. Paulo’, que morreu na manhã desta segunda, aos 65 anos. O jornalista passou também pelo jornal ‘O Povo’, do Ceará, ‘Jornal do Brasil’ e O DIA, onde participou de uma importante mudança editorial no fim dos anos 80, como chefe de reportagem e chefe de redação. Com 45 anos de profissão, ainda demonstrava o mesmo entusiasmo de quando começou nas redações.

José Luiz trabalhava há 15 anos no jornal ‘O Estado de S. Paulo’arquivo pessoal

Fazia graça com tudo e todos, sem deixar de ser exigente. Seu jeito humorado tornava mais leve a estressante rotina de repórteres e editores. “Foi o melhor caráter que já conheci”, elogia o jornalista Dacio Malta, que trabalhou com José Luiz no JB e no DIA. Paulo Oliveira, secretário de redação de ‘O Povo’, do Ceará, também trabalhou com ele no DIA: “Zé Luiz era uma pessoa intelectualmente acima da média, dono de humor cáustico.”

Estava há 15 anos no ‘Estadão’. Torcia com fervor pelo Fluminense e morava em Laranjeiras. Era filho do escritor e dramaturgo cearense Nertan Macedo. Tinha um filho, Maurício, fruto do casamento com a jornalista Bella Stall. Era casado com a jornalista Livia Ferrari. José Luiz morreu no hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo, de infarto. Ele será enterrado nesta terça-feira às 10h, no Cemitério São João Batista, em Botafogo. O velório será na capela 1, a partir de 8h.

Você pode gostar