Por paloma.savedra
Rafael Mascarenhas foi atropelado quando andava de skate no Túnel Zuzu Angel%2C na Zona Sul%3B o jovem teve politraumatismos na cabeça%2C tórax%2C braços e pernasAg. News

Rio - A Justiça do Rio concedeu, nesta quarta-feira, habeas corpus aos envolvidos na morte de Rafael Mascarenhas, filho de Cissa Guimarães, em 2010, condenados na última sexta-feira. A defesa de Rafael de Souza Bussamra e do seu pai, Roberto Bussamra, conseguiu um alvará de soltura dos dois, que estão presos no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste.

Eles serão soltos quando a Secretaria de Administração Penitenciária (SEAP) receber o documento. Segundo o órgão, um oficial Justiça deverá levar o alvará até a unidade, provavelmente amanhã para que os dois sejam libertos.

Ao saber da liberdade dos acusados, Cissa Guimãrães considerou a decisão como mais uma etapa do processo. A atriz também fez questão de lembrar a sentença na primeira instância.

"É claro que mexe comigo e gostaria de ver o fim desse pesadelo, mas é a Justiça e eles têm o direito de recorrer em liberdade. Isso não anula a condenação e eu tenho certeza que essa condenação foi uma quebra de paradigma que vai beneficiar a sociedade brasileira, não eu ou minha família, mas a sociedade é que sairá vitoriosa no fim. O que está acontecendo agora é mais um movimento nesse tabuleiro de xadrez que é a Justiça e as peças estão se movendo. Não posso dizer que estou chocada com uma decisão dessas", comentou Cissa Guimarães.

Nesta sexta-feira, o juiz Guilherme Schilling Pollo Duarte, da 16ª Vara Criminal, condenou Rafael Bussamra a 12 anos e nove meses de prisão e suspendeu sua carteira de habilitação por quatro anos e meio. Ele é o responsável pelo atropelamento e morte do estudante Rafael Mascarenhas, filho da atriz Cissa Guimarães, no dia 20 de julho de 2010, no Túnel Acústico da Gávea, Zona Sul.

Publicidade
Já o pai do atropelador, Roberto Bussamra, foi condenado a oito anos e 11 meses de reclusão por ter ajudado o filho a subornar com R$ 10 mil dois PMs, para ajudar a esconder o crime. A defesa dos dois já havia dito que iria recorrer da decisão. 
Após a condenação, os dois chegaram à 13ª DP (Copacabana), por volta das 19h de sexta-feira Às 13h de sábado, eles passaram por exames no Instituto Médico Legal (IML), e, em seguida, foram transferidos para o presídio.
Publicidade
“Vejo esta sentença como uma luz que ilumina a sociedade. É um alívio no meu coração e de todas as mães e familiares que passam por isso. Os pais precisam pensar sobre a maneira que educam os filhos. Espero que possamos evoluir”, afirmou Cissa, na ocasião.
A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) ainda não recebeu o alvará de soltura de Rafael de Souza Bussamra e Roberto Martins Bussamra, que estão na Penitenciária Bandeira Stampa, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu. Segundo o órgão, um oficial Justiça deverá levar o documento até a unidade, provavelmente amanhã para que os dois sejam libertos.
Publicidade
"É claro que mexe comigo e gostaria de ver o fim desse pesadelo, mas é a Justiça e eles têm o direito de recorrer em liberdade. Isso não anula a condenação e eu tenho certeza que essa condenação foi uma quebra de paradigma que vai beneficiar a sociedade brasileira, não eu ou minha família, mas a sociedade é que sairá vitoriosa no fim. O que está acontecendo agora é mais um movimento nesse tabuleiro de xadrez que é a Justiça e as peças estão se movendo. Não posso dizer que estou chocada com uma decisão dessas", comentou Cissa Guimarães.
Publicidade

Publicidade
Você pode gostar