Por nicolas.satriano
Publicado 29/01/2015 01:22 | Atualizado 29/01/2015 01:25

Rio - Prevista para ocorrer em setembro do ano passado, a ampliação do horário de funcionamento do teleférico do Morro da Providência depende de um acerto entre a prefeitura e a concessionária Porto Novo, encarregada do projeto Porto Maravilha.

Eduardo Paes quer que a empresa — formada pelas empreiteiras Odebrecht, Carioca e OAS — banque a operação do teleférico, um custo de R$ 16 milhões anuais. Alega que, por contrato, a concessionária é responsável pelos serviços públicos na região portuária. 

Meio expediente
Inaugurado em julho passado, o transporte só funciona das 9h às 16h: a operação tem sido custeada pela Porto Novo. O governo federal ainda deve à prefeitura cerca de R$ 20 milhões referentes à construção do teleférico.

Multas três em uma
O desrespeito aos corredores de BRS sairá caro para empresas de cargas. Secretário municipal de Transportes, Rafael Picciani decidiu que, para desestimular a infração, a Guarda Municipal passará a aplicar três multas de cada vez: por invasão da faixa exclusiva para ônibus, estacionamento proibido e entrega fora do horário.

A dúvida
A direção do PRB passou o dia de ontem reunida com representantes de outros partidos, em Brasília. A pauta era a eleição para a presidência da Câmara dos Deputados. O PRB decidira apoiar Eduardo Cunha (PMDB), mas discute migrar para o petista Arlindo Chinaglia.

Chacoalhada petista
O ex-presidente Lula quer levar para a direção nacional do partido os aliados Marco Aurélio Garcia, Gilberto Carvalho e Luiz Dulci. Acha que falta representatividade ao atual comando petista. A solução seria antecipar a eleição dos dirigentes, prevista para 2017.

Você pode gostar