Por paulo.gomes
Rio -Cinco suspeitos de tentativa de homicídio contra militares das Unidades de Polícia Pacificadoras (UPPs) dos complexos do Alemão e da Penha foram presos na manhã desta sexta-feira, durante uma operação da Polícia Civil na comunidade Vila Cruzeiro, na Penha. Um dos acusados, Renan da Silva Furlani, o Fininho, de 25 anos, é apontado pela polícia como um dos traficantes que mais participou de ataques às UPPs.

Segundo investigadores, Fininho é o homem de confiança do traficante Bruno Eduardo da Silva Procópio, o Piná, chefe do tráfico no Complexo da Penha, e que foi preso em Búzios, na Região dos Lagos, em abril. Considerado violento, é suspeito de balear um policial militar no Parque Proletário no dia 20 de setembro. Na ocasião, o criminoso também foi ferido na perna. Contra ele havia um mandado de prisão pendente.

Presos durante operação desta sexta-feira nos complexos do Alemão e da PenhaDivulgação

Fininho estava foragido há um ano. Agentes relatam ainda que ele tem duas marcas de tiro nas costas, resultado dos tiroteios. “É um dos que mais entram em confronto com policiais na região”, afirmou o delegado Reginaldo Guilherme, da 22ª DP (Penha).

Na casa da Rua Aymoré, cercada pela polícia, onde o bando dormia, foram encontradas munições, 11 celulares e duas pistolas de uso exclusivo das Forças Armadas e que não são comercializadas no Brasil. Cada uma delas custa cerca de R$ 4 mil.

A operação que começou por volta das 6h e- contou com o apoio de policiais da 45ª DP (Alemão) e da 27ª DP (Vicente de Carvalho).

Nesta sexta-feira, o soldado Bruno Guimarães Miguez, morto em patrulhamento quarta-feira pela UPP Cidade de Deus, foi enterrado. A sogra do policial criticou o secretário de Segurança José Mariano Beltrame, que esteve no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap. “O senhor é culpado pelo que estamos passando”, disse.