Carro com jovens é fuzilado na Maré por militares da Força de Pacificação

Eles voltavam de um bar onde assistiam a uma partida de futebol. Vitor Santiago Borges está internado em estado grave

Por O Dia

Rio - Um carro com cinco amigos foi fuzilado por militares da Força de Pacificação na madrugada da última quinta-feira, na entrada da favela Salsa e Merengue, no Complexo da Maré. Vitor Santiago Borges, de 29 anos, atingido na perna e no tórax, está em coma no Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. O Exército diz que houve troca de tiros com os ocupantes do veículo, mas a família conta que os militares não sinalizaram para o carro parar.

Vitor está internado em coma no Hospital Estadual Getúlio Vargas%2C na PenhaReprodução Facebook

Os jovens saíram juntos para assistirem ao jogo Flamengo x Cabofriense, e voltaram por volta das 3h após a vitória rubro-negra. O irmão de Vitor, Luciano Borges, 26, relatou que o irmão foi levado em estado grave para o hospital, e por isso não contou detalhes, mas afirmou que militares não deram sinal para o carro parar.

"Ele estava falando pouco, estava pálido e sentindo muito frio. Meus pais só o viu desacordado", disse Luciano. Vitor passou por cirurgia de 8h até por volta das 20h de quinta-feira. Ele foi baleado na perna direita, que atravessou para a perna esquerda. O outro tiro atingiu o tórax, o que fez perder parte do pulmão.

A Força de Pacificação da Maré informou que o veículo não parou e "foram efetuados disparos de armamento menos letal na direção deste, na tentativa de que o condutor interrompesse a atitude do suspeito". A nota ainda diz que ação visou defender dois militares da tropa que estavam na trajetória do veículo, e por isso foram realizados quatro disparos.

O veículo levava ainda um sargento da Aeronáutica que serve no Amazonas e passava férias na Maré. Luciano disse que os quatro amigos ficaram detidos por desacato no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR).

"Colocaram cada um em um contêiner e os trancaram. Disseram que seriam presos por descumprir ordem de parar. Só depois que os caras começaram a contestar a forma como estavam sendo tratados e que eles ficaram em uma sala com ar-condicionado", disse Luciano.

Os quatro rapazes ficaram de 5h de até cerca de 20h de quinta-feira no CPOR, na Avenida Brasil. Eles depuseram e foram liberados. Eles devem prestar depoimento nesta sexta-feira na 21ª DP (Bonsucesso).

A Força de Pacificação da Maré também informou que após os disparos, o veículo parou e a tropa imediatamente prestou socorros aos passageiros e encaminhou os feridos à UPA da Vila do João. "Já se iniciou procedimento administrativo para apurar o ocorrido e que seus integrantes são militares treinados para Garantir a Lei e a Ordem (GLO), estando preparados para esse tipo de situação”.

Últimas de Rio De Janeiro