Lei Seca vai fiscalizar motoristas em 75 blitzes nas praias e locais de desfiles

Mais rigorosa, operação vai ser realizada também nas praias da Zona Sul e da Região dos Lagos, pela manhã e à noite

Por O Dia

Lei Seca%3A com abolição de tolerância para quantidade de álcool ingerida%2C infrator pode perder habilitação Reprodução

Rio - O governo vai fechar o cerco aos foliões que se arriscarem a beber e dirigir neste Carnaval. A operação Lei Seca para o período de folia, que começa nesta sexta-feira e termina na terça-feira, vai ser realizada também nas praias da Zona Sul e da Região dos Lagos, pela manhã e à noite.

E não será ação educativa. Quem for flagrado ao volante alcoolizado, pode ser preso e perder a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). É importante lembrar que, com a mudança da lei, não existe mais tolerância para a quantidade de álcool no organismo de quem dirige.

Durante o Carnaval, serão realizadas 75 blitzes, com a participação de 250 agentes, inclusive no interior do estado. Equipes também vão ficar no Sambódromo e nos desfiles dos blocos de rua. O motorista que se recusar a fazer o teste do etilômetro — o popular bafômetro — terá a CNH recolhida, será multado em R$ 1.915,40 e perderá sete pontos na carteira. Se for flagrado embriagado, além destas punições, o condutor será preso e vai responder criminalmente.

Os fiscais da Lei Seca também farão um trabalho de conscientização com os motoristas nos dias de folia. “Vamos fazer ações preventivas com cadeirantes e os homens-balão nos blocos e no Sambódromo, com distribuição de ventarolas, adesivos e utilização de bafômetros descartáveis.

A ideia é alertar os foliões da importância de voltar para casa com segurança”, disse o coordenador da operação, tenente-coronel Marco Andrade. Desde a implantação da Lei Seca, em 2009, até a madrugada de ontem, 1.778.862 motoristas foram abordados, 349.382 foram multados, 72.107 veículos rebocados e 126.373 motoristas tiveram a CNH recolhida.

Quem pensa em dirigir, mesmo após consumir alcool, dificilmente terá alguma chance de ganhar um recurso contestando o resultado bafômetro. Isso porque os equipamentos que serão usados nas ações passaram por aferição nas últimas semana no Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Rio de Janeiro (Ipem). E o prazo de validade dessas testagens é de um ano.

A Polícia Rodoviária Federal também promete rigor durante os próximos dias. E o motivo é que, historicamente, o Carnaval é o período de maior violência nas estradas, por causa do abuso no consumo de álcool.

Últimas de Rio De Janeiro