Reuniões de Lula mostram que há um caminho para reunificação com o PMDB

Aposta de membros do governo federal é que os peemedebistas não levarão para frente flerte com a oposição

Por O Dia

Rio - Para integrantes do governo federal, as reuniões de Lula com caciques do PMDB-RJ e com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), apontam para a reunificação de forças que vêm dando sinais de rebeldia. Muitos apostam que peemedebistas não levarão adiante o flerte com a oposição, vão apenas exigir mais em troca de apoio a Dilma Rousseff.

Na avaliação do Planalto, a eleição de Leonardo Picciani para líder do PMDB na Câmara dos Deputados foi melhor que a vitória de Lúcio Vieira Lima, antipetista assumido.

Reunião da família
O governo espera que a reaproximação de Lula com Cabral pacifique a relação com a família Picciani que, no Rio, liderou a dissidência peemedebista pró-Aécio Neves. Muitos apostam também numa mudança de rumos do PSB, que, depois de participar de governos petistas, pulou para a oposição.

Fim de doações
No dia 25, diversas entidades, entre elas a OAB e a CNBB, fazem, na Câmara dos Deputados, ato que defenderá o fim das doações de empresas para campanhas eleitorais. Um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes impede, desde abril, que o Supremo Tribunal Federal decida a questão.

Jequitibá do samba
Com todo o respeito e carinho pelas demais escolas: “Eu vou cantar, a vida inteira/Pra sempre Mangueira, tem que respeitar.”

Últimas de Rio De Janeiro