Faixas e avisos alertam para perigo de assaltos em Santa Teresa

Moradores relatam que casos de violência têm sido cada vez mais frequentes no bairro

Por O Dia

Rio - "Clamamos por segurança.” É o que diz uma faixa colocada em uma sacada na Rua Joaquim Murtinho, ao lado da Travessa das Escadinhas, em Santa Teresa. Na Ladeira de Santa Teresa, avisos em português e inglês alertam sobre os assaltos, cada vez mais constantes.

A reportagem do DIA foi ao bairro ouvir os moradores, mas muitos não quiseram falar ou se identificar com medo de retaliações. “São as mesmas pessoas que cometem os crimes. Ano passado, depois de uma denúncia, um assaltante bateu na nossa porta para reclamar que agora a mídia estava sabendo”, explicou um morador da Travessa das Escadinhas. O local é importante rota de fuga para os infratores.

Muro na Ladeira de Santa Teresa recebeu pichação com alerta sobre assaltos escrito em dois idiomasErnesto Carriço / Agência O Dia

Outro morador da Travessa, responsável pela colocação da faixa, contou como os criminosos atuam. “Esse pedaço do bairro fica perto da Lapa e da Escadaria Selarón. Sem o bonde, a escadaria é muito usada por turistas. Quem assalta são jovens. Eles sobem, roubam e descem correndo, chegando rápido na Lapa sem serem pegos”, explicou.

Além dos furtos realizados a pé, há relatos de que assaltos com motos e carros estão crescendo. “Não saímos sozinhos”, disse uma professora, moradora da Rua Progresso, que também não quis se identificar.

As notícias sobre assaltos em todas as partes do bairro se acumulam, mostrando que o problema vem piorando. “Ultimamente ouvimos muitos relatos. São pessoas que vão para o trabalho, ou pegam ônibus, ou saem para passear com o cachorro, e é assaltado”, contou Mônica Souza, de 50 anos, que nasceu e cresceu no bairro. “Segunda e terça-feira, quando os bares ficam fechados, é quando tem mais assalto”, disse a moradora.

“Há uma sensação de insegurança generalizada”, declarou Jacques Schwarzstein, presidente da Associação de Moradores e Amigos de Santa Teresa (Amast). Ele contou que todos os dias a página do Facebook da associação é inundada com reclamações sobre a violência no bairro.

Em 2013, um relatório com reclamações dos moradores foi entregue à Secretaria de Segurança Pública e atos de protesto foram organizados no bairro. Mas a situação não mudou. “Infelizmente tem piorado. Sabemos de pessoas que se mudaram do bairro por conta da segurança”, contou Jacques.

Taciana Maciel, de 40 anos, é dona de um bar no Largo do Curvelo e reclama da insegurança. “A Ladeira de Santa Teresa é perigosa. A Cândido Mendes não dá para subir sozinho. O mesmo acontece na Joaquim Murtinho. Os clientes comentam. Assim fica difícil subir para o bairro”, contou.

A PM informou que reforçou o policiamento no local.

Reportagem de Flor Castro

Últimas de Rio De Janeiro