Piano de Eike também pode ter sido levado a uma das residências de juiz

Defesa do empresário recebeu informações de que o instrumento apreendido está em poder do magistrado; advogados aguardam confirmação

Por O Dia

O juiz federal Flávio Roberto de Souza foi flagrado dando uma voltinha no Porsche de Eike Batista que o próprio magistrado mandara leiloarReprodução

Rio - Parece não ter fim o embate entre o juiz Flávio Roberto de Souza, titular da 3ª Vara Criminal da Justiça Federal do Rio de Janeiro, e o empresário Eike Batista, réu em processo julgado pelo magistrado. Depois do flagra feito nesta terça-feira do juiz dirigindo o Porsche Cayenne de Eike - além de ter estacionado mais dois automóveis do milionário em sua garagem -, há suspeitas de que um piano do empresário, apreendido na operação da Polícia Federal, teria sido levado a uma das residências de Souza. 

"Recebemos mais de uma informação de que o piano apreendido, junto com outros bens de Eike, foi levado a um dos apartamentos do juiz. Ele (magistrado) é um tresloucado", disse o advogado de Eike, Sérgio Bermudes, que fez uma ressalva: "Esta informação está pendente de confirmação. Ainda não podemos afirmar que isso aconteceu. Mas há suspeitas. O piano poderia estar em outro apartamento do juiz, no mesmo condomínio, no Parque das Rosas, na Barra da Tijuca", completou. 

Bermudes lembrou que fará nesta quarta-feira a representação junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em Brasília, para que a conduta do juiz seja investigada. Em seu entendimento ele poderá ainda ser removido do cargo por ter agido de forma contrária à lei. "O que ele fez foi uma afronta à lei. Os bens têm que estar com a Justiça, não com o juiz", declarou o advogado logo após tomar conhecimento do caso.

Juiz é flagrado usando carro apreendido de Eike Batista

A defesa já havia pedido o afastamento do juiz do caso, alegando que o mesmo "perseguia" Eike. O pedido de suspeição está sendo julgado pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (Rio de Janeiro). Dois desembargadores já foram favoráveis ao pedido e o terceiro pediu vista dos autos. Com a polêmica envolvendo os carros de Eike, há maior possibilidade de ele ser afastado. 

"A suspeição do magistrado já foi arguida em decorrência de declarações que ele deu à imprensa e contrárias ao Eike. Ele tem que dar a sentença, não antecipar o seu entendimento acerca das partes", argumentou Bermudes. 

"É absolutamente normal", disse juiz sobre 'voltinha' com carro

O juiz Flávio Roberto de Souza afirmou que é "absolutamente normal" andar com o carro de Eike Batista. Em entrevista à Folha de são Paulo, Souza justificou o ato dizendo que é para "preservar" o bem e diz que os advogados "preferem a fofoca".

Porsche estava estacionado na vaga 239 do Edifício Liberty Place%2C do condomínio Parque das Rosas%2C na Barra da TijucaDivulgação

"É absolutamente normal, pois comuniquei em ofício ao Detran que o carro estava à disposição do juízo. Vários juízes fazem isso. Ficou guardado em local seguro, longe do risco de dano, na garagem do meu prédio, que tem câmeras. Não foi usado, apenas levado e trazido. Nada foi feito às escuras. Está documentado", disse.

Últimas de Rio De Janeiro

Piano de Eike também pode ter sido levado a uma das residências de juiz O Dia - Rio De Janeiro

Piano de Eike também pode ter sido levado a uma das residências de juiz

Defesa do empresário recebeu informações de que o instrumento apreendido está em poder do magistrado; advogados aguardam confirmação

Por O Dia

O juiz federal Flávio Roberto de Souza foi flagrado dando uma voltinha no Porsche de Eike Batista que o próprio magistrado mandara leiloarReprodução

Rio - Parece não ter fim o embate entre o juiz Flávio Roberto de Souza, titular da 3ª Vara Criminal da Justiça Federal do Rio de Janeiro, e o empresário Eike Batista, réu em processo julgado pelo magistrado. Depois do flagra feito nesta terça-feira do juiz dirigindo o Porsche Cayenne de Eike - além de ter estacionado mais dois automóveis do milionário em sua garagem -, há suspeitas de que um piano do empresário, apreendido na operação da Polícia Federal, teria sido levado a uma das residências de Souza. 

"Recebemos mais de uma informação de que o piano apreendido, junto com outros bens de Eike, foi levado a um dos apartamentos do juiz. Ele (magistrado) é um tresloucado", disse o advogado de Eike, Sérgio Bermudes, que fez uma ressalva: "Esta informação está pendente de confirmação. Ainda não podemos afirmar que isso aconteceu. Mas há suspeitas. O piano poderia estar em outro apartamento do juiz, no mesmo condomínio, no Parque das Rosas, na Barra da Tijuca", completou. 

Bermudes lembrou que fará nesta quarta-feira a representação junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em Brasília, para que a conduta do juiz seja investigada. Em seu entendimento ele poderá ainda ser removido do cargo por ter agido de forma contrária à lei. "O que ele fez foi uma afronta à lei. Os bens têm que estar com a Justiça, não com o juiz", declarou o advogado logo após tomar conhecimento do caso.

Juiz é flagrado usando carro apreendido de Eike Batista

A defesa já havia pedido o afastamento do juiz do caso, alegando que o mesmo "perseguia" Eike. O pedido de suspeição está sendo julgado pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (Rio de Janeiro). Dois desembargadores já foram favoráveis ao pedido e o terceiro pediu vista dos autos. Com a polêmica envolvendo os carros de Eike, há maior possibilidade de ele ser afastado. 

"A suspeição do magistrado já foi arguida em decorrência de declarações que ele deu à imprensa e contrárias ao Eike. Ele tem que dar a sentença, não antecipar o seu entendimento acerca das partes", argumentou Bermudes. 

"É absolutamente normal", disse juiz sobre 'voltinha' com carro

O juiz Flávio Roberto de Souza afirmou que é "absolutamente normal" andar com o carro de Eike Batista. Em entrevista à Folha de são Paulo, Souza justificou o ato dizendo que é para "preservar" o bem e diz que os advogados "preferem a fofoca".

Porsche estava estacionado na vaga 239 do Edifício Liberty Place%2C do condomínio Parque das Rosas%2C na Barra da TijucaDivulgação

"É absolutamente normal, pois comuniquei em ofício ao Detran que o carro estava à disposição do juízo. Vários juízes fazem isso. Ficou guardado em local seguro, longe do risco de dano, na garagem do meu prédio, que tem câmeras. Não foi usado, apenas levado e trazido. Nada foi feito às escuras. Está documentado", disse.

Últimas de Rio De Janeiro