Polícia identifica acusado de praticar sequestros-relâmpago na Barra

Segundo a polícia, 'Dedé Orelha' é o chefe de bando especializado em capturar vítimas em shoppings e supermercados da região

Por O Dia

'Branco da Pedreira' é acusado de chefiar quadrilha especializada em praticar sequestros-relâmpago na BarraDivulgação

Rio - Policiais da 16ª DP (Barra da Tijuca) identificaram o chefe da quadrilha acusada de praticar sequestros-relâmpagos na Zona Oeste. Trata-se de Valdenir da Silva Rangel, também conhecido pelos apelidos Dedé Orelha e Branco da Pedreira, que teve a prisão temporária decretada pela Justiça.

“Foi um trabalho da Inteligência da polícia, analisando as imagens das câmeras de segurança dos estabelecimentos onde eles agiam. Conseguimos chegar à identificaçáo do criminoso e agora vamos em busca de sua prisão”, disse o delegado titular da 16ª DP, Mário Luiz da Silva.

Valdenir e seus comparsas tinham como práticas as mesmas utilizadas no caso da médica sequestrada na semana passada, no Shopping da Gávea, Zona Sul do Rio, quando foi levada para o Morro do Chapadão, em Costa Barros. Na ocasião, os bandidos fizeram compras no valor de R$ 38 mil com os cartões de débito e crédito da vítima.

“Não tenho como afirmar que o Valdenir é o responsável pelo sequestro da médica na Gávea. Ele está identificado como parte da quadrilha que praticou três sequestros na Barra da Tijuca, o último deles na terça-feira de Carnaval. Mas a forma de agir é exatamente igual, com vítimas de classe média alta e de classe alta que são levadas para a região da Pavuna, e depois liberadas após diversas compras em seus cartões”, explicou o delegado da 16ª DP.

A última vítima foi um advogado de 37 anos, que teve R$ 19 mil levados de sua conta bancária, através de uma máquina de cartões de crédito que pertence a um lava-jato da região. De acordo com o advogado, pelo teor das conversas dos criminosos, eles fariam parte do bando que roubou cerca de 200 motos de um pátio do Detro, no último dia 31 de dezembro.

Qualquer informação que possa ajudar na localização do foragido poderá ser denunciada através do telefone do Disque-Denúncia (2253-1177).

Últimas de Rio De Janeiro