Pais e alunos do CAP-UFRJ promovem 'aulaço' na porta do colégio em protesto

Ato acontece em protesto ao adiamento do início do ano letivo e conta com cerca de 40 crianças, acompanhada dos pais

Por O Dia

Rio - Pais e alunos do Colégio de Aplicação da UFRJ (CAP/UFRJ) promovem, na manhã desta terça-feira, um "Aulaço" na porta da escola, no Jardim Botânico, para protestar contra o adiamento do início do ano letivo. Cerca de 40 crianças, acompanhadas pelos responsáveis, assistem à aulas de História, Bioquímico e Educação Física, com temas relacionados ao 450 anos da cidade do Rio de Janeiro.

GALERIA: Alunos do CAP-UFRJ participam de 'aulaço'

Segundo o jornalista Fernando Zaider, diretor da Associação de Pais, Alunos e Amigos do CAp-UFRJ (APACAP), o ato marca o atraso de um mês no início do ano letivo por decisão da UFRJ. Os alunos do 3º ano do Ensino Médio, que tinham iniciado em 26 de fevereiro, tiveram as aulas suspensas. As aulas do Ensino Fundamental começariam experimentalmente na segunda-feira, mas também foram adiadas, deixando cerca de 750 alunos fora das salas.

'Aulaço' acontece na porta do Colégio de Aplicação da UFRJ%2C no Jardim Botânico"Divulgação

Fernando é pai de uma aluna do 4º ano, que tem dez anos de idade. De acordo com ele, as crianças desta idade não podem ficar sozinhas, e essa atitude da UFRJ de cancelar o início das aulas altera toda a rotina das famílias.

"Temos que arranjar um modo de ocupar essas crianças, não podemos deixar elas sozinhas. As crianças precisam estudar", disse.

Alunos participam de ato em protesto contra o adiamento do início do ano letivo no CAp-UFRJFabio Gonçalves / Agência O Dia

A UFRJ está em débito com a empresa Qualitécnica, responsável pelos serviços de limpezas das dependências da universidade. Na sexta-feira, o Conselho Universitário da UFRJ decidiu por mais um adiamento das aulas em todos os campi da universidade. Em nota, a instituição informou que "aguarda a normalização dos serviços de limpeza, para retomar as aulas em todos os campi".

A empresa Qualitécnica opera com número reduzido de funcionários, fruto da redução de quase R$ 60 milhões, que a universidade teve em seu orçamento no último ano, em depósitos do Governo Federal. De acordo com o reitor Carlos Levi, a UFRJ tem priorizado os pagamentos do mês de dezembro de 2014, ainda em atraso.

Início do ano letivo no CAp-UFRJ foi adiado por falta de verbasDivulgação


Últimas de Rio De Janeiro