Coleta doméstica será prioridade durante a greve dos garis, diz prefeitura

Plano de contingência coloca varrição de rua em segundo plano; Paes chegou a apelar sobre crise no país e dizer que trabalhadores do Comperj trabalhariam na prefeitura

Por O Dia

Rio - Com a greve dos garis, iniciada nesta sexta-feira, a Prefeitura do Rio montou um plano de contingência que prioriza a coleta doméstica. Com isso, a varrição das ruas fica em segundo plano. Segundo o prefeito Eduardo Paes, a presença de uma escolta junto aos garis também faz parte do plano, para garantir os trabalhos.

GALERIA: Caminhões da Comlurb são escoltados para garantir coleta nas ruas

"Nossa prioridade sempre é a coleta familiar, os resíduos dos lares e dos trabalhos. O que a gente pede é que as pessoas colaborem nesses dias e que procurem aquilo que deveriam fazer sempre. Que cuidem das ruas e não joguem lixo. Não vamos priorizar a varredura. E mesmo aquele lixo residencial, para ficar atento ao horário em que o gari vai passar", declarou Paes durante a inauguração de empreendimento imobiliário na Região Portuária, nesta sexta-feira. 

LEIA MAIS: Garis fazem protesto em frente à Prefeitura

O Sindicato dos Empregados de Empresas de Asseio e Conservação decidiu pela paralisação nesta quinta-feira, depois de a Comlurb oferecer um aumento salarial de 3%. A categoria pede 47,7%, além de um reajuste no vale-alimentação de R$ 20 para R$ 27 por dia. Para o prefeito Eduardo Paes, o valor é alto. Ele lembra ainda a decretação da ilegalidade da greve pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT). 

Após garis entrarem em greve%2C caminhões da Comlurb são escoltados para garantir recolhimento do lixo acumulado nas ruasFabio Gonçalves / Agência O Dia

Paes disse ainda que "foi pego de surpresa pela greve": "A gente foi surpreendido. Março é o mês do dissídio, estamos em uma discussão. Foi feita uma proposta, muito alta, a gente fez uma contra proposta. Então fomos surpreendidos ontem com a declaração de greve. Sabíamos de uma Assembleia e poderia acontecer isso, mas a partir de domingo. Então estamos já com o plano de contingência implementado", afirmou o prefeito, declarando que está aberto para negociação. 

"Estamos pedindo aos garis, como a greve já foi declarada ilegal ontem, porque nem a premissa se respeitou, que voltem ao trabalho porque a prefeitura está aberta para discussão. Estava e está negociando e vai continuar negociando", disse Paes, afirmando que o país está em momento de crise e lembrando os trabalhadores do Comperj:

"As pessoas estão sendo demitidas. Se eu chegar lá no Comperj hoje e colocar uma barraquinha e dizer 'olha, por favor, eu preciso de garis emergenciais no Rio', vou trazer 18 mil garis para cá e pessoas para ajudar. Em um momento de redução fiscal, a prefeitura do Rio não está deixando de pagar ninguém, nem fornecedor, nem folha de salário, não está atrasando nada e nem cortando investimentos, mas é obvio que não se vive em uma situação de conforto fiscal. E é uma categoria que ganhou no ano passado 40% de aumento", discursou o prefeito. 

Com a paralisação dos garis, desde a 0h desta sexta-feira, o lixo já se acumula nas ruas da cidade. Com o plano de contigência, funcionários terceirizados da 5ª Gerência de Conservação, no Maracanã, foram convocados para trabalhar na retirada dos lixos das ruas, pois não há garis.

Garis rejeitam proposta da Comlurb e decidem entrar em greve; escolta ajuda parte dos trabalhadores que não aderiram ao movimentoFabio Gonçalves

Greve é ilegal, decreta TRT

O Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro considerou ilegal a greve dos garis da Comlurb e concedeu liminar, na madrugada desta sexta-feira, exigindo o retorno imediato dos funcionários as suas atividades. Caso a determinação não seja cumprida, o sindicato da categoria será multado em R$ 100 mil por cada dia de paralisação.

Na decisão, a Justiça do Trabalho justifica que o objetivo é "evitar a ocorrência de danos à população do município do Rio de Janeiro." O TRT-RJ também pediu a requisição de força policial nas portas das garagens da empresa para permitir que os trabalhadores possam trabalhar sem serem intimidados pelos piquetes de grevistas.


Últimas de Rio De Janeiro