Falta de luz suspende CPI da Ampla em São Gonçalo

Piada pronta! Marcada na sede da OAB no município, no Zé Garoto, sessão foi suspensa devido à interrupção de energia

Por O Dia

Rio - Seria piada se não fosse a realidade. Uma falta de luz interrompeu a primeira audiência pública da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Ampla, realizada pela Câmara Municipal de São Gonçalo, nesta quinta-feira. A sessão, marcada na sede da OAB do município, localizada no bairro Zé Garoto, chegou a ser iniciada, porém, sem energia, teve de ser suspensa. 

Segundo a assessoria de imprensa da OAB, o problema ocorreu logo que se passaram 20 minutos da sessão. Com a falta de energia, o calor aumentou e os vereadores decidiram então suspender a audiência. 

Leia mais:

Conta de luz da Ampla terá aumento médio de 42,19%

Ampla é a pior concessionária do Sudeste, aponta estudo 

Reunião na OAB de São Gonçalo ficou às escuras%2C ontem à tardeDivulgação

Aprovada na última quinta-feira, a audiência tinha como objetivo exigir informações sobre o serviço prestado pela concessionária, que registrou diversas falhas no fornecimento de energia em fevereiro. 

Presidente da CPI, o vereador Jorge Mariola (PDT) afirmou que o objetivo é fazer com que a concessionária melhore seus serviços. "Queremos saber quais os investimentos da empresa em São Gonçalo e região, enfim, um serviço decente por um preço justo”, disse Mariola.

A ocorrência de chuvas em São Gonçalo, Itaboraí, Maricá, Niterói e outras regiões em fevereiro provocou a interrupção de energia nos municípios. Em alguns pontos, moradores ficaram dias sem luz.

Segundo a Casa Legislativa, os vereadores de São Gonçalo têm se reunido com diretores da Ampla, para que a empresa garanta o fornecimento de energia a todos os clientes. Ainda de acordo com membros da CPI, a Ampla irá reabrir a agência móvel do Alcântara e ajudará no recadastramento das famílias que podem perder a tarifa social.

Com o aumento na conta de luz aprovado pela Aneel, o Ministério Público Federal chegou a ajuizar ação civil pública contra a concessionária. 

Últimas de Rio De Janeiro