Funcionários da limpeza do IML fazem greve por falta de pagamentos

Empresa contratada pela Polícia Civil diz que o atraso nos salários ocorre por atraso em repasses do governo do Rio

Por O Dia

Rio - Funcionários da limpeza do Instituto Médico-Legal (IML) de São Cristóvão estão de braços cruzados. Segundo eles, o salário de fevereiro e o tíquete-alimentação, que deveriam ter sido depositados até o dia 10, estão atrasados e sem previsão de quitação. A empresa Space 2000, contratada pela Polícia Civil, alegou que o atraso está acontecendo porque pelo sétimo mês consecutivo o governo não fez o pagamento.

No domingo, O DIA publicou que o Departamento Geral de Polícia Técnica e Científica, que coordena os IMLs, está sofrendo com o processo de sucateamento e quantidade de profissionais reduzidos, o que compromete investigações.

Apesar de estarem em greve desde quinta-feira, funcionários estão comparecendo ao IML. Um deles contou que 37 pessoas trabalham no local, divididas em quatro plantões de 12 horas. “Ficamos aqui sentados as 12 horas”.

A sujeira é percebida facilmente. Guimbas de cigarro, lixeiras cheias, garrafas espalhadas e banheiro inutilizável são os cartões de visita desde que os funcionários pararam de trabalhar.

A Polícia Civil informou que prioriza a limpeza dos setores de necropsia e clínica médica, na parte interna do prédio, inacessível ao público. E diz que alguns serventes estão trabalhando. Já a Secretaria Estadual de Fazenda disse que ‘os pagamentos serão incluídos na programação financeira de acordo com o fluxo de caixa e deverão ser efetuados em breve.’

Últimas de Rio De Janeiro