Policiamento é reforçado após moradora morrer vítima de bala perdida no Alemão

Moradores relataram falta de luz por conta de intenso tiroteio e Light não tem previsão de restabelecimento de energia

Por O Dia

Rio - O policiamento no Complexo do Alemão está reforçado na manhã desta sexta-feira após traficantes armarem uma emboscada para PMs da UPP da Fazendinha que faziam rondam na região e atirarem contra os militares na noite de quinta-feira. Na ocasião, dois ficaram feridos. Também na quinta-feira, uma mulher morreu vítima de bala perdida. 

Segundo a PM, os policiais foram socorridos para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha. O soldado Costa foi baleado na perna e ainda está em estado grave. Já o soldado Fontes foi atingido de raspão no Joelho. Ele foi medicado e liberado em seguida.  A viatura em que os PMs estavam foi metralhada pelos traficantes que ainda agem na comunidade. Os criminosos conseguiram fugir.

"O Comando de Operações Especiais (COE) foi acionado e o policiamento segue reforçado na região. Não há informações de prisões e apreensões", informou a PM em nota. 

Por conta do tiroteio, moradores relataram falta de luz na comunidade. De acordo com a Light, uma equipe tentou entrar na comunidade para fazer os reparos, mas não conseguiu. A entrada só foi possível na manhã desta sexta. A concessionária informou que vai verificar o que foi danificado e avaliar o que precisa ser feito. Ainda não há previsão de quando a energia será restabelecida.

Moradores acusam PM de atirar e matar mulher 

O confronto da noite na Fazendinha ocorreu depois uma tarde de quinta-feira tensa no Complexo do Alemão com a morte de uma moradora, vítima de bala perdida. Vanessa Aparecida de Abcassis, de 38 anos, foi atingida pelas costas por um disparo, na localidade do Areal, no Morro do Alemão.

Vanessa%2C 38 anos%3A tiro nas costasDivulgação

Segundo a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP), pouco antes das 14h, policiais da UPP da comunidade ouviram da base da unidade alguns disparos, mas não conseguiram identificar a origem dos tiros.

Embora a UPP negue que tenha ocorrido tiroteio no Areal, moradores e parentes afirmaram que PMs fizeram disparos. Um sobrinho de Vanessa desabafou em rede social: “É minha tia (que morreu)! Foram os policiais que atiraram”. A morte de mais uma vítima gerou revolta entre moradores. “Até quando teremos que caminhar atrás de corpos?”, escreveu um jovem no Facebook.

Rajadas e escuridão

Ainda segundo a UPP, moradores procuraram os agentes e informaram que uma moradora do Areal havia sido baleada. Os PMs foram em direção ao local e encontraram a mulher sendo socorrida. A vítima foi colocada em carro da unidade e levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Complexo do Alemão, onde não resistiu ao ferimento. A ocorrência está sendo investigada pela Divisão de Homicídios.

Após a morte de Vanessa, houve confronto na comunidade. A CPP informou que policiais da UPP Nova Brasília trocaram tiros com criminosos na Rua 2, na localidade conhecida como Alvorada. Os bandidos conseguiram fugir e buscas foram feitas na região, na tentativa de localizá-los. Até o fechamento desta edição, ninguém havia sido preso.

Durante a noite de quinta-feira, alguns ainda relataram que rajadas foram ouvidas na Grota e no Areal. Em alguns pontos faltou luz.

Últimas de Rio De Janeiro