Mulher morta no Complexo do Alemão será enterrada no Cemitério de Inhaúma

Vítima baleada na quinta-feira será sepultada às 13h deste sábado. Vanessa Aparecida sonhava em sair da comunidade

Por O Dia

Rio - Morta após ser atingida por tiro, quinta-feira, no Complexo do Alemão, a dona de casa Vanessa Aparecida de Abcassis, de 38 anos, planejava deixar o local por conta da escalada de violência na região, que conta com Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Segundo o viúvo, Nilson Borges dos Santos, de 40, os dois não aguentavam mais conviver com os confrontos constantes entre PMs e criminosos. A família acredita que o grupo com o qual Vanessa conversava em frente ao portão de casa pode ter sido confundido com usuários de drogas que circulam por ali.

“Nós vínhamos pensando em nos mudar daqui justamente por causa da violência. Aí, agora acontece isso...”, lamentou Nilson.

A UPP informou que um procedimento apuratório interno foi aberto para apurar as circunstâncias dos fatos. A Delegacia de Homicídios da Capital investiga o crime.

Vanessa%2C 38 anos%3A vítima levou tiro nas costas e sonhava deixar favelaDivulgação

Vanessa será enterrada às 13h deste sábado no Cemitério de Inhaúma. “Atiraram em direção à minha mulher. Não posso afirmar que foi a polícia, mas isso pouco importa, minha mulher está morta”, desabafou Nilson.

Nesta sexta-feira, o Rio registrou mais um caso de bala perdida. À tarde, um homem foi atingido e morreu durante troca de tiros entre policiais do 27º BPM (Santa Cruz) e bandidos da Favela do Rola, em Santa Cruz, na Zona Oeste carioca.

A vítima, que seria um idoso, não resistiu ao ferimento e morreu no local. Não há informações sobre as circunstâncias em que o homem foi baleado. A PM informou apenas que ‘houve confronto e uma pessoa ficou ferida, mas não resistiu’. A Divisão de Homicídios da Capital também investiga o caso no Rola.

Últimas de Rio De Janeiro