Por karilayn.areias

Rio - Um grupo de cerca de dez policiais militares realiza um protesto, na noite deste sábado, na porta da Divisão de Homicídios (DH) da Capital, na Barra da Tijuca. De acordo com a cabo Flávia Louzada, que organizou a manifestação, os PMs querem demonstrar solidariedade ao sargento Cláudio Farias Singelo, preso na noite desta sexta-feira, após reagir a um assalto e matar um bandidos. Na ocasião, o policial foi abordado por três homens e reagiu ao assalto. O delegado considerou que Singelo executou o bandido e lhe deu voz de prisão.

"Esse ato é de solidariedade ao Singelo e para mostrar que estamos unidos. Defender a vida não é crime", disse Louzada.

O policial, que é lotado no 16º BPM (Olaria), saía de casa, na Pavuna, por volta das 19h30, quando foi abordado por três homens armados que anunciaram o assalto. De dentro do carro, Singelo reagiu e houve troca de tiros. Seu carro ficou com 15 marcas de tiros, sendo que 12 foram efetuados de dentro para fora, segundo a Polícia Civil. O PM atingiu um dos bandidos, identificado como Alex de Melo Câmara, que ficou caído ao lado do carro do sargento. Os outros dois criminosos fugiram.

Singelo saiu do veículo e disparou outras vezes contra Alex. De acordo com o boletim de ocorrência, os peritos alegaram que "puderam constatar a presença de dois disparos de arma de fogo efetuados a curta distância, na região da clavícula e do ombro direito, assim como um disparo “encostado” na nuca da vítima, levando a conclusão de que a mesma foi executada após receber os primeiros disparos de arma de fogo".

A Polícia Civil, através de nota, informou que "diante da situação, o delegado entendeu que houve excesso por parte do PM na legítima defesa”. Singelo foi autuado por homicídio, preso e transferido para a Unidade Prisional da Polícia Militar, antigo Batalhão Especial Prisional (BEP).

Você pode gostar