Mulher afirma que foi abusada em ônibus do BRT na Barra

Suposta vítima diz que foi impedida de fazer o registro em delegacia

Por O Dia

Rio - Funcionária de um restaurante na Barra da Tijuca, uma mulher, que completou 37 anos na segunda-feira, acusa um funcionário do BRT Transoeste de abusar sexualmente dela, por volta das 4h da madrugada da mesma segunda-feira, dentro de um ônibus no Terminal Alvorada. Segundo a vítima, o homem, uniformizado, a induziu a entrar no coletivo, que estava vazio e com as luzes apagadas, sugerindo que aquele seria o primeiro ônibus a sair da Barra para Santa Cruz.

“Quando embarquei para esperar o ônibus sair, ele entrou atrás, me forçou a beijá-lo e ficou se masturbando e mandando que eu fizesse sexo oral nele. Fiquei com muito medo, até que ele se satisfez e saiu. Depois que cheguei em Santa Cruz, ainda com muito medo, consegui encontrar policiais que me levaram para a delegacia”, relatou a vítima.

Crime teria acontecido no Terminal Alvorada%2C horas antes do rushBanco de imagens

Ainda de acordo com ela, o registro não foi feito na 36ª DP (Santa Cruz) porque agentes da Polícia Civil disseram que não havia testemunhas do crime e que o sistema (de computação) estava fora do ar. “Falaram para eu voltar depois, achei uma absurdo”.

O Consórcio BRT informou, nesta segunda-feira à noite, que policiais militares, contratados através do Proeis, auxiliaram a vítima e a conduziram à DP. De acordo com o consórcio, não há filmagem do ataque, pois as câmeras do ônibus estavam desligadas e o funcionário acusado seria de empresa de ônibus que tem convênio com o BRT. Em nota, o consórcio afirmou que ‘deplora o fato e que, comprovada a culpa pela polícia, o acusado será excluído do serviço’.

Aindan nesta segunda à noite, após contato do DIA, a Polícia Civil disse que o delegado Daniel Mayr, da 36ª DP, entrou em contato com a vítima para apurar o problema na falta de atendimento e se colocou à disposição dela para agendar horário e registrar o estupro. As investigações deverão ser feitas pela 16ª DP (Barra da Tijuca).

A assessoria de imprensa da Polícia Civil ressaltou ainda que 'qualquer cidadão que não for bem atendido em alguma unidade pode entrar em contato com a Central de Atendimento ao Cidadão (CAC), pelos telefones (21) 2334-8823, (21) 2334-8835 e pelo chat https://cacpcerj.pcivil.rj.gov.br.' Ainda de acordo com a polícia, nos três meses primeiros meses de 2015, a central realizou três mil atendimentos.

Últimas de Rio De Janeiro