Três acusados de participar de esquema de propina são presos

Policiais da Delegacia de Proteção do Meio Ambiente cobravam altos valores de empresários para que não sofressem intervenção em seus negócios

Por O Dia

Rio - Três acusados de participar de esquema de propina exigida por policiais da Delegacia de Proteção do Meio Ambiente (DPMA) a empresários foram presos na manhã desta terça-feira. Os mandados foram cumpridos em continuidade à Operação Hiena, realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio (MP) e pela Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Segurança. A ação teve apoio de agentes da Controladoria Geral Unificada e da Corregedoria Interna da Polícia Civil (Coinpol).

O policial civil Rogério Rodrigues França, além de Lucas Lopes Zimmermann Coimbra e Cesar Augusto Zimmermann Coimbra foram presos temporariamente (por 30 dias). Os dois últimos são parentes de um policial preso em fevereiro por extorsão. 

De acordo com a polícia, Lucas é filho e Augusto irmão do inspetor Conrado Zimmermann Coimbra, preso dia 6 de fevereiro, junto com outros dois inspetores da DPMA, acusados de simular a investigação de crimes ambientais para extorquir empresários. Os dois são acusados de fazer contato com as vítimas para que mentissem em seus depoimentos quando eram convocadas para depor sobre a propina paga mensalmente aos policiais. As investigações apontam ainda que algumas vítimas chegaram a sofrer ameaças. Lucas e Augusto mantiveram a cobrança mensal da propina, passando a recolher as quantias em nome de Conrado após sua prisão.

Já o policial Rogério é acusado de participar do esquema enquanto esteve lotado na DPMA. Atualmente, ele estava cedido à 55ª DP (Queimados). O valor das propinas variava de R$ 500 a até R$ 300 mil, em cobranças únicas ou frequentes. Os três foram presos em casa, em Jacarepaguá. Eles foram levados para a Secretaria de Segurança Pública.

Últimas de Rio De Janeiro