Mãe de bancário executado com um tiro na nuca há 7 anos pede rigor da Justiça

Julgamento do caso será nesta terça-feira e começa com ato no Fórum

Por O Dia

Zely%3A “Estou Juntando os cacos”Estefan Radovicz / Arquivo Agência O Dia

Rio - Sete anos depois do crime e vários adiamentos, começa nesta terça-feira, às 13h, no 2º Tribunal do Júri, o julgamento dos supostos assassinos do bancário Marcelo Vidal, 28 anos, morto em abril de 2008, com um tiro na nuca, numa emboscada, no Andaraí. Às 11h, em frente ao Fórum, a mãe da vítima, Zely Vidal, 70, comandará um ato em defesa de leis mais severas para assassinos.

“Renascendo das cinzas e juntando meus cacos, convoco a todos para dar um basta na impunidade”, diz, emocionada, Zely. “Quero ver os matadores do meu filho atrás das grades”, desabafa.

Os principais acusados do crime são a viúva Anny Viana, 35, apontada pela Polícia Civil como a mandante da execução (por conta de um seguro de vida de R$ 380 mil que Vidal tinha feito), e Sandro Tabachi, que também teria participado da trama. Ambos negam qualquer tipo de envolvimento no caso.

Últimas de Rio De Janeiro