Dom Helder Câmara recebe título de 'Servo de Deus'

Parecer do Vaticano inicia o processo de beatificação e canonização do religioso morto em 1999

Por O Dia

Expectativa cresce entre os fiéis por mais um santo brasileiro%3A Dom Hélder CâmaraArquivo

Rio - A Santa Sé deu o sinal verde para reconhecer como santo o ex-arcebispo de Olinda e Recife Dom Hélder Câmara. O religioso acaba de receber o título de ‘Servo de Deus’, o primeiro passo no longo processo rumo à canonização do brasileiro, indicado ao Nobel da Paz e perseguido durante a ditadura militar pela luta contra as injustiças sociais e defesa dos mais pobres. O parecer favorável autorizando o início da beatificação foi emitido pela Congregação para a Causa dos Santos. Há duas semanas, O DIA antecipou o início do processo.

A notícia tão aguardada pelos fiéis chegou na segunda-feira por meio de carta enviada pelo prefeito da Congregação, cardeal dom Angelo Amato, menos de 10 dias depois de ter confirmado o recebimento do pedido de abertura do processo pela Arquidiocese de Olinda e Recife.

O comunicado informando que não há qualquer impedimento para seguir adiante com a causa foi traduzido do latim para o português pelo arcebispo de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido. O pedido de canonização foi enviado ao Vaticano em maio de 2014. “Tenho muito carinho por Dom Hélder. Foi ele quem me ordenou sacerdote”, recorda o arcebispo. Segundo Saburido, a próxima etapa é reunir documentos e relatos de pessoas que conviveram com Dom Hélder para servir de provas no processo. Para isso, será convocada por frei Jociel Gomes uma comissão para trabalhar no processo de beatificação, que poderá levar anos. “Alguns documentos já estão sendo recolhidos, e o resultado tem sido positivo. Já descobrimos documentos inéditos, como um diário de Dom Hélder quando ele era um jovem padre na Arquidiocese de Fortaleza”, diz frei Jociel.

Para ajudar a reunir os testemunhos, a Arquidiocese de Olinda conta com a ajuda dos fiéis. Isto porque para que o religioso se torne santo da Igreja Católica será preciso atribuir milagres a ele. “Estamos convocando os fiéis a fornecerem documentos que possam ser úteis para a beatificação, como cartas”, diz o arcebispo. Os documentos sobre o religioso podem ser entregues na Cúria de Recife.

A abertura oficial do processo de beatificação será realizada, no dia 3 de maio, às 9h, durante missa celebrada na Catedral da Sé, em Olinda, onde está enterrado o corpo de dom Hélder.

Símbolo de luta contra pobreza e liberdade

Nascido em 1909, em Fortaleza, no Ceará, Dom Hélder Câmara virou um símbolo da luta contra a pobreza e pela liberdade no Brasil durante o regime militar. Em 1969, o arcebispo foi acusado de comunista, por ter criticado a situação de miséria dos agricultores do Nordeste.

A partir de então, dom Helder sofreu represálias. Sua casa foi metralhada, assessores próximos a ele foram presos e o padre Antônio Henrique foi assassinado. Em 1970, dom Helder foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz. O governo brasileiro promoveu uma campanha internacional para derrubar a indicação, já que ele denunciava a prática de tortura de presos políticos no Brasil. Como bispo auxiliar do Rio fundou o Banco da Providência, de ajuda aos mais carentes. Ele morreu, no Recife, em 27 de agosto de 1999.

Colaborou Maria Luisa Barros

Últimas de Rio De Janeiro