Por nicolas.satriano

Rio - Segue a crise entre os organizadores do novo protesto contra a presidenta Dilma Rousseff, programado para este domingo em Copacabana. Desta vez, integrantes do Movimento Brasil Livre (MBL) acusam os do Vem Para Rua de receberem dinheiro e serem aparelhados pelo PSDB, maior partido de oposição ao PT.

“Não é segredo para ninguém que o Vem para Rua tem relações com os tucanos”, afirmou o empresário Safe Sattam Júnior, durante reunião do MBL. Júnio contou que é filiado ao PSDB, mas garantiu não receber recursos do partido.

Júnior lembrou que o fundador do Vem Para Rua, Rogério Chequer, aparece em diversas fotos ao lado de tucanos, como os senadores Aécio Neves (MG) e José Serra (SP). “É daí que sai o dinheiro”, disse Júnior. Em vídeo que circula na internet, Allan dos Santos, integrante de grupo que defende intervenção militar, tece as mesmas críticas.

O PSDB negou. “Não sei nem do que se trata. O dinheiro do fundo partidário é muito escasso. Cada diretório estadual tem sua autonomia para gerir os recursos, mas não tem nada disso de dar dinheiro”, disse o presidente do PSDB no Rio, deputado estadual Luiz Paulo.

Um dos articuladores do Vem Para Rua no Rio, Dênis Abreu lamentou os comentários do MBL. “O movimento é financiado por membros do grupo. É ruim dividir quando deveríamos nos unir”, resumiu.

Você pode gostar