'Sempre lembrarei da imagem do meu filho esfacelado', diz pai de Eduardo

José Souza desabafou horas antes da reconstituição da morte de seu filho e garantiu lembrar do PM que atirou contra ele: 'Ele proporcionou a pior cena que já vi e tem que pagar'

Por O Dia

Rio - Horas antes da reconstituição da morte de Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos, no Complexo do Alemão, nesta sexta-feira, o pai da vítima, José Maria Ferreira de Souza, voltou a pedir a punição do policial que atirou contra seu filho e desabafou. "Não me calarei. Espero que a culpa do policial seja comprovada na perícia de hoje. Esse sujeito tem que pagar com cadeia", disparou. O menino foi atingido no dia 2 de abril, na porta de casa, e os dois PMs envolvidos no caso estão na comunidade para a simulação. 

Fotogaleria: Polícia Civil faz reconstituições simultâneas de mortes no Alemão

DH mobilizou 120 policiais%2C oito delegados e 10 peritos para as três reconstituições no Complexo do Alemão%2C nesta sexta-feiraCarlos Moraes / Agência O Dia

"Para sempre me lembrarei da imagem do meu filho esfacelado. Esse policial proporcionou a pior cena que já vi", desabafou o pai da criança.

O trabalho está a cargo da Divisão de Homicídios (DH), que fará simultaneamente a reconstituição de mais outras duas mortes no conjunto de favelas: a de Elizabeth de Moura Francisco, de 41 anos (no dia 1º de abril), e do ex-comandante da UPP Nova Brasília, capitão Uanderson Manoel da Silva (em setembro de 2014).

Leia mais:

Reconstituição tenta esclarecer circunstâncias da morte de criança

Menino de 10 anos morre baleado no Complexo do Alemão

Mulher morre em tiroteio no Complexo do Alemão

Comandante da UPP Nova Brasília morre baleado no Alemão

Titular da DH, o delegado Rivaldo Barbosa destacou o reforço no aparato para as simulações e disse ainda que a comunidade estava tranquila com os trabalhos As três reconstituições mobilizam 120 policiais da DH, oito delegados e 10 peritos. Cerca de 100 PMs também apoiam a ação. 

O Ministério Público, Defensoria Pública e Corregedoria da PM estão no local, assim como os 22 policiais militares envolvidos nos três casos. 

"Queremos a verdade, não passaremos a mão na cabeça de ninguém", declarou Rivaldo Barbosa. "A comunidade está tranquila. Esse aparato todo de policiais não é por conta do perigo do local, mas por conta da reconstituição", completou. 

Terezinha e José enterraram o filho Eduardo no PiauíDivulgação

"O Ministério Público não quer crucificar ninguém. Nós queremos buscar a verdade", declarou o promotor de Justiça Homero das Neves, ao lado do corregedor da PM, coronel Victor Yunes: "A Divisão de Homicídios e a Corregedoria estão trabalhando em conjunto. Esse trabalho de hoje será feito de forma técnica, com o objetivo de estabelecer a verdade e a justiça prevalecer", afirmou o militar. 

Segundo o promotor, "a perícia vai indicar se os policiais tinham ou não visão do menino na hora em que efetuaram o disparo". Homero contou que os PMs garantiram não ter visão do menino no momento em que desciam do Beco da Lagoinha. 

Perícias devem terminar à noite

No momento, testemunhas estão sendo ouvidas para a reconstituição do caso Eduardo e a perícia deve indicar a origem do tiro. Ao final, uma outra perícia deve feita com a versão policial. Toda a imprensa está isolada a 30 metros da cena do crime. 

Parte do comércio no conjunto de favelas está fechada. 








Últimas de Rio De Janeiro