Baleada na barriga, menina implora para não voltar para casa

Vitória Valério Rodrigues, de 7 anos, estava a caminho da escola quando foi alvejada no Parque Esperança, em Anchieta

Por O Dia

Vitória foi ferida na barriga quando ia para a escola com a mãeReprodução

Rio - O trauma de ser baleada na barriga, a caminho da escola, fez a menina Vitória Valério Rodrigues, de apenas 7 anos, implorar à mãe para não voltar mais para a comunidade Parque Esperança, em Anchieta, onde mora com a família.

A população local enfrenta dias de terror desde quarta-feira, quando a criança e dois homens ficaram feridos em violento confronto travado entre policiais e traficantes. Na ocasião, dois suspeitos morreram e, em sinal de protesto, moradores do vizinho complexo do Chapadão fecharam as principais vias com barricadas de fogo, além de queimar um ônibus.

Vitória foi operada, mas segue em estado grave no Hospital Municipal Jesus, em Vila Isabel. “A bala atravessou o abdômen e tiveram que tirar 30 centímetros do intestino. Minha filha nasceu de novo”, desabafou Márcia Valério Rodrigues, 44.

Na manhã de quarta, ela levava Vitória para escola quando o tiroteio começou. “Foi o caveirão (blindado da PM) chegar para começarem os tiros. A Vitória gritou e mostrou a perna cheia de sangue. Ninguém quis socorrer. Um casal passou de carro e a levou para a UPA de Ricardo de Albuquerque”, completou.

“Ali (no Chapadão) é guerra o dia inteiro. Minha filha está traumatizada e diz o tempo todo que não quer voltar para os tiros”, afirmou.

Nesta quinta-feira, a região amanheceu sob intenso tiroteio. Pelo WhatsApp do DIA (98762-8248), moradores de Guadalupe, Anchieta e Costa Barros relataram os momentos de terror.

“Intenso tiroteio no Chapadão, deixando todos os moradores em pânico”, informava um usuário da ferramenta. “Estão ateando fogo em todos os carros que passam. Está tudo dominado por eles (bandidos)”, alertava outro.

Polícia investiga tiroteio

Além de Vitória, Marcelo Saturno Silva, 32, foi atingido no ombro de raspão e Vitor Castilho dos Santos, 23, baleado nas costas. Ele foi operado e seu quadro é estável. A 31ª DP (Ricardo de Albuquerque) investiga o tiroteio e ouviu os PMs que estavam no local.

Na operação de quarta, os suspeitos Bruno dos Santos Ramiro, 21, e Adriano Dias de Lima, 33, morreram no tiroteio. Segundo o 41º BPM (Irajá), policiais eles foram flagrados em um carro e atiraram contra as viaturas.

Últimas de Rio De Janeiro