Expulsos de prédio federal, sem-teto ocupam Praça da Cruz Vermelha

Grupo foi impedido pela PM de ocupar prédio federal na Avenida Venezuela na noite desta quinta-feira

Por O Dia

Rio - Parte do grupo que invadiu o Edifício Hilton Santos, Morro da Viúva, no Flamengo, ocupa nesta sexta-feira a Praça da Cruz Vermelha, no Centro da cidade após ser retirado na noite desta quinta-feira de um edifício federal na Avenida Venezuela, na Zona Portuária. Os cerca de 50 sem-teto contam que foram expulsos da Cinelândia, onde ficaram por cerca de 10 dias, por Guardas Municipais e equipes da Secretaria municipal de Ordem Publica.

“Eles vieram falando para a gente sair, que iam recolher nossos colchões e jogar água na gente com aquele caminhão-pipa usado para lavar calçada, se continuássemos ali. Eles disseram que estavam cumprindo ordens e que a gente não poderia ficar mais ali. Se a gente insistisse, eles iam usar a força para tirar a gente”, disse o desempregado Bruno Leonardo, de 28 anos, pai de três filhos.

Grupo que invadiu prédio de Eike é impedido de ocupar edifício no Centro

Parte dos 350 sem-teto que invadiram prédio no Flamengo fazem manifestação na Praça da Cruz VermelhaSeverino Silva / Agência O Dia

Impossibilitado de permanecer na Cinelândia, o grupo decidiu seguir para o prédio de número 53 da Avenida Venezuela, onde permaneceu por cerca de duas horas até ser retirado pela PM. Segundo a corporação, a desocupação do imóvel abandonado foi pacífica.

A Secretaria Municipal de Ordem Pública informou que atua diariamente na desobstrução de áreas públicas e que não é permitido colocar estruturas nesses locais sem autorização, tais como colchões ou divisórias de lençóis.

Na retirada dos ocupantes do prédio no Morro da Viúva houve tumulto, incêndio e uso de armamento não letal pela PM. O imóvel na Zona Sul é alugado ao grupo do empresário Eike Batista pelo Clube de Regatas do Flamengo. As famílias foram cadastradas na quarta-feira em programas sociais e já foram desalojadas também de um terreno da Cedae na Via Binário do Porto, que ocuparam semana passada.

*Com informações da Agência Brasil 

Últimas de Rio De Janeiro