Por paloma.savedra

Rio - Começou nesta segunda-feira a primeira audiência de instrução e julgamento dos 75 acusados — entre eles policiais civis, policiais militares e bombeiros — de participar de uma quadrilha especializada em abortos no Rio. Pelo menos cinco delegados envolvidos na investigação serão ouvidos na 4ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio. Segundo a assessoria do TJ, há possibilidade da sessão continuar nesta terça-feira, devido ao número de réus. Dos 75 acusados, cinco estão foragidos. 

Os acusados foram investigados e presos em outubro de 2014 na Operação Herodes, considerada a maior do Brasil no combate à prática de aborto. Segundo a polícia, a quadrilha atuava nos bairros de Campo Grande, na Zona Oeste; Copacabana e Botafogo, na Zona Sul; Tijuca e Bonsucesso, Rocha e Guadalupe, na Zona Norte do Rio. Todas as clínicas clandestinas investigadas foram fechadas.

Presa acusada de 'agenciar' mulheres grávidas para quadrilha de aborto

'Eram verdadeiros açougues humanos', diz delegado sobre as clínicas de aborto

Quadrilha faturou cerca de R$ 2 milhões com 2.500 abortos

A investigação foi iniciada em março de 2013, após a prisão de um inspetor dentro de uma clínica clandestina em Campo Grande. A partir daí, a Corregedoria da Polícia Civil descobriu e identificou a participação de diversos agentes no esquema. Eles trabalhavam nos sete endereços de clínicas clandestinas. 

Você pode gostar