Empréstimos ao estado despencam

Comparativo entre quadrimestres de 2014 e 2015 mostra que Rio recebeu menos R$ 3,4 bi. Receita também foi menor

Por O Dia

Rio - Um levantamento feito pela liderança do PT na Assembleia Legislativa mostra que o diabo que ataca as finanças do estado é menos feio do que parece. A primeira olhada impressiona: descontada a inflação, o governo, nos quatro primeiros meses deste ano, teve uma receita 11,05% menor do que em 2014, uma diferença de R$ 2,921 bilhões.

A maior queda, porém, foi em empréstimos recebidos (menos R$ 3,402 bilhões) — dinheiro, em geral, vinculado a investimentos e não ao pagamento de despesas correntes.

Ganhos e perdas
O governo pode alegar que o resultado só não é pior por conta de um empréstimo do Fundo de Depósitos Judiciais, já contabilizado na análise — entraram R$ 2,240 bilhões. Mas alguns acham que Pezão anda fazendo caixa para o estado. Alegam que, com os cortes promovidos desde janeiro, os pagamentos do governo não precisariam estar tão atrasados.

Faça o que eu digo...
Preso na madrugada desta sexta-feira ao tentar subornar um agente de trânsito em Brasília, Georthon Saraiva, de 33 anos, procura dar bons exemplos — pelo menos, no Facebook. Ele curte uma página que exalta pessoas que executam projetos sociais. Também participa do grupo ‘Corrida da cerveja e da vodka’, que convocou manifestantes para o protesto de 15 de março, contra a corrupção no governo federal. 

Lei Seca 
O Rio Como Vamos revela que, nos primeiros três meses de 2015, a Operação Lei Seca parou 91.993 motoristas na cidade: 5.300 sofreram sanções administrativas, aplicadas quando há irregularidades no veículo ou a constatação de que o condutor ingeriu pouca quantidade de álcool. Já os 265 que exageraram na bebida sofreram sanções criminais.

Últimas de Rio De Janeiro