Pezão deixa na mão de aliados nomeações no governo

Jorge Picciani, presidente da Alerj, e Edson Albertassi, líder do governo, têm as 'chaves' para cargos em órgãos como Detran

Por O Dia

Rio - Pezão repassou para dois de seus principais aliados na Assembleia Legislativa a tarefa de receber, dos deputados estaduais, pedidos de nomeações no governo. O caminho para empregos em órgãos como Detran e Fundação Leão XIII passa pelos gabinetes de Jorge Picciani, presidente da Alerj, e Edson Albertassi, líder do governo. Ninguém chega aos cargos sem eles.

Na gestão Sérgio Cabral, a tarefa ficava com Wilson Carlos, um dos supersecretários do então governador — o outro era Régis Fichtner.

A antessala do poder
O estilo centralizador de Pezão faz com que a divisão de poderes seja mais sutil. Quem vai muito ao palácio sabe que é bom manter boas relações com Affonso Monnerat, chefe de gabinete. É que ele herdou de Hudson Braga (ex-coordenador de infraestrutura) a sala — vizinha à do governador — que foi de Pezão na gestão de Cabral.

Inimigos íntimos
Por falar em intrigas. Na reunião da bancada do PMDB com Pezão, André Lazaroni, líder do partido na Alerj, felicitou o governador por ele contar com dois “grandes aliados”: Jorge Picciani e Paulo Melo, secretário de Governo. “Agora, só falta eles se entenderem”, alfinetou.

Soldado do fogo
O deputado federal Cabo Daciolo visitou deputados estaduais para criticar os novos chefes dos Bombeiros, o comandante-geral, Ronaldo Alcântara, e seu subcomandante, Roberto Robadey. Daciolo aproveitou para apresentar nomes de coronéis que apoia.

Vai virar lei
A Alerj derrubou o veto de Sérgio Cabral ao projeto do deputado Zaqueu Teixeira (PT) que obriga empresas de vales de refeição e alimentação a instalar máquinas de conferência de saldo em supermercados e restaurantes.

Últimas de Rio De Janeiro