Acusado de matar alpinista confessa crime e pode pegar até 90 anos

Criminoso 'achou que se tratasse de invasão de milicianos', afirmou delegado da Divisão de Homicídios da Baixada

Por O Dia

Rio - Preso nesta sexta-feira pela morte do alpinista Ulisses da Costa Cancela, de 36 anos, Alexsandro Crizanto Martins, de 22 anos, pode pegar até 90 anos de cadeia, se condenado pelos crimes que é acusado: homicídio duplamente qualificado e mais três tentativas de homicídio duplamente qualificado. Após ser apresentado na Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), nesta manhã, ele foi encaminhado para o Complexo de Gericinó, unidade da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), em Bangu, na Zona Oeste.

De acordo com o delegado titular da DHBF, Fábio Cardoso, Alexsandro, conhecido como "Cuncun", fazia a proteção da Vila do Sapê, favela de Imbariê em Duque de Caxias que é dominada pelo Comando Vermelho, no último sábado, dia que o alpinista foi morto.

Alexsandro Crizanto Martins%2C de 22 anos%2C confessou ter atirado contra alpinista. Ele pode pegar até 90 anos de cadeia%2C somando outros crimes que cometeuSeverino Silva / Agência O Dia

"O Alexsandro disse que mandou o Ford Ka parar e abaixar o farol, assim que se aproximou da entrada da favela. Como Ulisses não acatou ordem de parada, ele achou que se tratasse de uma invasão de milicianos. O acusado confessou o crime. Ele estava com uma pistola 9mm. Foram disparados de 10 a 11 tiros, sobrando apenas uma munição na arma", afirmou o delegado.

LEIA MAIS:

Acusado de matar alpinista que entrou por engano em favela é preso

Alpinista salvou mulher e amigos antes de morrer

Alpinista morto ao entrar por engano em favela voltava de festa no Rio

'No Rio, não se pode errar uma rua que você morre', diz irmão de alpinista

'Foi uma fatalidade', diz viúva de alpinista morto ao entrar em favela

Alpinista é morto ao entrar por engano em favela na Baixada

Alpinista industrial e caldeireiro%2C Ulisses tinha paixão por escaladaReprodução Facebook

Segundo Fábio Cardoso, outro homem que estava com Alexsandro deu apenas um tiro para o alto. "Quando viu que tinha acertado alguém, o Alexsandro saiu correndo e se escondeu na casa de um parente. Depois, ele foi para uma casa em Piabetá", contou. Ainda de acordo com o delegado, a Polícia Civil conseguiu chegar até o acusado através de informações enviadas para o Disque-Denúncia e da investigação realizada pela 62ª DP (Imbariê), que ajudou a identificá-lo junto a moradores da comunidade.

Alexsandro já havia sido preso anteriormente e cumpria pena em liberdade. Pela morte do alpinista, ele pode ser condenado a 30 anos, sob a acusação de homicídio duplamente qualificado motivo fútil e sem possibilidade de defesa da vítimas. Outros 60 anos podem ser somados à pena do acusado, sendo 20 anos por cada tentativa de homicídio duplamente qualificado, visto que no interior do veículo, estavam, além de Ulisses, a esposa do alpinista e um casal de amigos.

Últimas de Rio De Janeiro