PF prende funcionários da Anvisa e policiais federais do Porto do Rio

Trezentos agentes, com o apoio da Marinha, cumprem oito mandados de prisão temporária em quatro pontos do estado

Por O Dia

Rio - A Polícia Federal realiza, nesta quarta-feira, uma operação para prender funcionários da Anvisa e agentes da própria PF, acusados da facilitar, de forma irregular, o desembaraço na imigração e nos procedimentos de tráfego marítimo no Porto do Rio. Trezentos policiais federais, com apoio da Marinha do Brasil, cumprem oito mandados de prisão temporária, 33 de condução coercitiva e 37 de busca e apreensão na capital, Niterói, São Gonçalo e São João de Meriti. A ação também acontece em Paranaíba, no estado do Piauí.

"Os órgãos facilitavam. As pessoas tinham uma burocracia a serem cumpridas que serve para preservar a segurança e saúde pública. Isso requer tempo e as empresas não queriam esperar. Há um prazo curto para o barco atracar, carregar e descarregar. Então eles buscavam as facilidades junto aos órgãos públicos que faziam vista grossa ao não realizarem as vistorias nas embarcações e não exigirem documentos", disse o delegado da Polícia Federal, Renato Madsen.

A investigação durou um ano e seis meses. Dos oito mandados de prisão, cinco são contra funcionários da Anvisa e três contra policiais federais. Um praça da Marinha também foi conduzido coercitivamente. Segundo as investigações, os funcionários da agência emitiam o certificado de controle sanitário de bordo das embarcações sem inspecioná-las. Já os policiais federais não adotavam o procedimento imigratório regular. Segundo Renato Madsen, os agentes da PF, veiculados da superintendência, devem ser demitidos do órgão. 

Foram apreendidos celulares, documentos, mais de R$ 50 mil em espécie. Já na casa de um servidor, os agentes encontraram aproximadamente 5 mil dólares.

Os presos foram indiciados por corrupção ativa, corrupção passiva, concussão — quando servidor público exige dinheiro ou vantagem em razão da função que ocupa —, inserção de dados falsos em sistemas, organização criminosa, falsidade ideológica, uso de documento falso, dentre outros.

Últimas de Rio De Janeiro