Polícia solicita câmeras de segurança de prédio para tentar identificar suspeito

Alemão Markus Muller diz a médicos que explosão em apartamento de São Conrado foi provocado por um criminoso

Por O Dia

Rio - A Polícia Civil informou nesta quarta-feira que já solicitou as câmeras de segurança do Edifício Canoas, em São Conrado, para apurar a informação de que a explosão no apartamento 1.001, na última segunda-feira, foi realmente criminoso. O alemão Markus Bernahad Maria Muller, de 51 anos, afirmou aos médicos do Hospital Municipal Miguel Couto, onde estava internado, que um homem invadiu o imóvel, o feriu com uma faca e disse que "explodiria tudo".

LEIA MAIS: Explosão em prédio de São Conrado foi criminosa, diz vítima

LEIA MAIS: Liberação do Edifício Canoas deve demorar meses

Os policiais da 15ªDP (Gávea) trabalham com a hipótese de que um garoto de programa teria estado no apartamento na noite anterior da explosão. A proprietária do imóvel já prestou depoimento na terça-feira. Além disso, os agentes aguardam a recuperação do empresário, que continua em estado grave no Centro de Tratamento para Queimados, no Hospital Municipal Pedro II, em Santa Cruz, para que ele seja ouvido.

No apartamento do alemão%2C parte do piso cedeu%2C e parede foi destruída. Peritos acharam mangueira do aquecedor intacta%2C que pode ter sido retirada e provocado o vazamentoOsvaldo Praddo / Agência O Dia

Com todos os relatos, a Polícia Civil segue trabalhando com três hipóteses: assalto, tentativa de suicídio ou distúrbio emocional. A suspeita de assalto é reforçada pelo encontro de uma mangueira do aquecedor. O objeto estava intacto e pode ter sido retirado para provocar vazamento.

GALERIA: Moradores retiram pertences de apartamentos

GALERIA: Explosão destrói apartamentos em São Conrado

No entanto, a polícia também investiga a informação da CEG à Agência Reguladora de Energia e Saneamento do Rio (Agenersa) de que seis dias antes da explosão o consumo de gás do apartamento de Markos aumentou o equivalente a quatro vezes da média mensal. O prédio será liberado pela Defesa Civil amanhã. O reparo deve demorar três meses, segundo o Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea-RJ).

Últimas de Rio De Janeiro