Conta bancária de alemão vítima de explosão será analisada pela polícia

Investigadores querem saber se foi feita movimentação bancária após o acidente; agentes também checam se há seguro de vida

Por O Dia

Rio - A polícia vai analisar a conta bancária do empresário alemão Markus Bernhard Muller, 51 anos, que se feriu gravemente na explosão de seu apartamento, segunda-feira, em São Conrado. A hipótese de que ele tenha sido vítima de um ataque de alguém que invadiu o imóvel — conforme a própria vítima relatou aos médicos —, é uma das principais linhas de investigação adotadas pela polícia. Tanto que os investigadores querem descobrir se foi feita alguma movimentação bancária após o acidente. Os agentes também vão apurar se havia algum seguro de vida em nome da vítima.

Ontem, imagens das câmeras do Edifício Canoas, foram analisadas por agentes da 15ª DP (Gávea). A vítima chegou ao prédio às 19h18 de domingo, mas os vídeos dos cinco dias anteriores à explosão também serão verificados para ver se Markus costumava ir para casa acompanhado.

Janete%2C mãe um menino empresariado pelo alemão%2C contou que ele não tinha motivos para tentar se matarEstefan Radovicz / Agência O Dia

No primeiro vídeo do prédio, onde está a entrada da garagem, o alemão chega em um carro importado preto. Como os vidros são filmados, não dá para perceber se há mais alguém dentro do veículo. Em seguida, ele estaciona. Markus Muller aparece nas imagens de calça comprida e camisa azuis, e carrega em uma das mãos um casaco. Já às 19h21, ele entra no elevador, arruma os cabelos e se olha no espelho.

Na delegacia, Janete Barbosa, de 29 anos, mãe de um menino de 14 anos que era empresariado pelo alemão contou que eles se conheceram há três anos na escolinha de futebol da Rocinha e que o menino, além de receber de Markus uma ajuda de custo de R$ 300, seria levado para um clube alemão quando completasse 16 anos. Segundo Janete, o garoto considerava Markus como um pai.

A testemunha disse ainda que o filho frequentava o apartamento do alemão e que ele chegou a se queixar do cheiro de gás há dois meses. “Chamou uma pessoa para verificar o vazamento, mas nada foi encontrado. Ele não fumava, não bebia. Não tinha motivos para tentar se suicidar. Era um cara feliz. Pode ter sido assalto, acidente, mas só a polícia pode dizer”, relatou ela, afirmando que Markus tem dois filhos biológicos na Alemanha, outro de 14 anos que mora no Recreio e um adotivo de 17, que estaria com a avó, na Gávea.

Ainda segundo Janete, seu filho foi a última pessoa que esteve com o alemão. “Todos os dias se viam. Iam para o treino, para o shopping. Na noite anterior deixou meu filho perto de casa, na Rocinha”, lembrou.

Luiz Essinger, diretor do Hospital Municipal Miguel Couto, para onde o alemão foi socorrido, disse que ele chegou agitado. “Contou que um homem entrou e queria um relógio Rolex, dinheiro e passou a noite o torturando com uma faca. As lesões não eram da explosão”, afirmou. 

Últimas de Rio De Janeiro