Eduardo Paes muda o tom em relação a menores de rua e aceita ouvir comissão

Prefeito havia dito que 'menor praticando assalto é problema de polícia'. Procurador do Rio cria grupo de trabalho para discussão

Por O Dia

Rio - A modalidade de violência que vem apavorando a cidade nas últimas semanas — assalto com faca — fez nova vítima nesta sexta-feira. O momento de lazer da estudante chilena Izidora Ribas Carmona, de 32 anos, foi interrompido com um golpe no pescoço, na Praça Paris, Glória.

Militar da Marinha é a sétima vítima de ataques com facas no Rio

A moça ouvia música e pegava sol no gramado, quando um homem se aproximou e a atacou para roubar seu tablet. A área, ponto turístico, é cercada por grades e tem uma cabine da Guarda Municipal. Mas o ladrão conseguiu fugir, sem ser abordado pelos agentes. Foram cinco casos semelhantes no Rio desde domingo.

Testemunhas contaram que o suspeito ficou pelo menos 20 minutos observando a jovem. “Cala a boca senão eu vou te matar”, ameaçou o assaltante ao se aproximar de Izidora. Nem a ressalva dela sobre seu cão intimidou o bandido. “Falei que se ele se movimentasse, meu cachorro poderia mordê-lo. Gritei ainda mais forte por socorro”, contou a estudante, que entrou em luta corporal com o assaltante.

Bicicleta da chilena foi recolhida por PMs. Frequentadores cuidaram do cachorro dela%2C que ficou perdido após a dona ir para o hospital Alessandro Costa / Agência O Dia

Quando ela gritou de novo, ele voltou e desferiu o golpe com uma faca de aproximadamente 20 centímetros e ponta arredondada. Izidora foi atendida no Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro da cidade, e prestou depoimento na Delegacia de Atendimento ao Turista (Deat), no Leblon.

A vítima fez o retrato falado do suspeito: ele é mulato claro, tem aproximadamente 1,70m e aparenta 25 anos. No local, não havia câmeras. Izidora tem visto de estudante e mora em um albergue na região há dois meses.

O suspeito é mulato%2C tem cerca de 25 anos e 1%2C70 metro de alturaDivulgação

Segundo o comandante do 2º BPM (Botafogo), tenente-coronel Márcio Oliveira Rocha, os policiais militares patrulham a área externa da praça e o policiamento no bairro já estava reforçado. “Temos 12 policiais que patrulham desde Botafogo até a área do parque. Dentro da praça, a responsabilidade é da Guarda Municipal”, afirmou o comandante.

Já a assessoria da Guarda informou que três agentes fazem rondas frequentes e que o patrulhamento da praça será reforçado com cães. Mas frequentadores do espaço dizem o contrário.

José Azevedo, 46, corre diariamente na praça e afirma que raramente vê os agentes circulando. “Eles ficam só na guarita. A praça é cheia de moradores de rua e usuários de drogas. Dá até medo de correr.”

Apesar do trauma, a estudante não quer voltar para sua terra natal. “Mesmo com o que aconteceu, ela quer permanecer aqui porque ama o Brasil”, disse o delegado Alexandre Braga.

À noite, outras duas pessoas foram atacadas por bandidos com facas. Um Icaraí, na Zona Sul de Niterói, uma professora teve a bicicleta (avaliada em mais de R$ 1 mil) roubada após ser ameaçada por um assaltante.

Na Barra da Tijuca, uma mulher foi abordada por dois menores em um ponto de ônibus na Av. das Américas. Ela gritou e foi ajudada por pedestre. Ele acabou sendo esfaqueado na mão. A mulher foi empurrada pelo assaltante e se machucou. Uma patrulha da PM apreendeu os adolescentes, que foram para a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

Paes quer ver proposta de comissão

O prefeito Eduardo Paes mudou o tom do discurso sobre a violência na cidade. Ontem, ele admitiu que vai ouvir o que será proposto por uma comissão formada pelo Ministério Público Estadual, a Polícia Militar, a Polícia Civil e representantes da prefeitura sobre como tratar menores de rua em condições de risco.

Na quinta-feira, o prefeito havia dito que “menor praticando assalto é problema de polícia.” “Soube da reunião e acho bom que se definam esses papéis, de quem fará o quê, para não ficarmos com esse jogo de empurra”, afirmou.

O procurador-geral de Justiça do estado, Marfan Vieira, adiantou que será criado um grupo de trabalho para discutir a abordagem a menores, para redefinir limites e evitar abusos. “A recomendação continuará sendo cumprir a lei e o Estatuto da Criança e do Adolescente”, disse.

O promotor Marcos Fagundes, coordenador do Centro de Apoio das Promotorias da Infância e da Juventude, explicou que a comissão criará uma espécie de código de conduta, com funções de cada órgão. “Menor em situação de vulnerabilidade tem de ser atendido por gente treinada. Policial tem que fazer segurança pública, não cuidar de menor.”

Na quarta-feira, audiência pública na Alerj vai debater a violência contra ciclistas, que têm se multiplicado em vias públicas da cidade.

Suspeito de roubar médico é reconhecido por outro caso

O adolescente de 16 anos apreendido pela Delegacia de Homicídios (DH) por suspeita de ter esfaqueado e roubado o cardiologista Jaime Gold, na Lagoa, foi reconhecido como autor de mais um roubo de bicicleta com uso de faca. Segundo um fotógrafo que procurou a DH ontem, no fim de abril, o suspeito e e outro jovem levaram sua bicicleta e cortaram seu dedo no Aterro do Flamengo. Ao fugir, a vítima foi atropelada por um ônibus e sofreu fraturas no rosto.

O fotógrafo, de 53 anos, contou que pedalava e passou pelos jovens. Eles deram meia volta e com uma faca mandaram o homem entregar a bicicleta — avaliada em R$ 1.300 e comprada em outubro.

O fotógrafo contou que viu X. pela televisão após ele ser apreendido e achou o jeito que ele andava parecido com o suspeito que o assaltou. Na delegacia, ele reconheceu o rapaz através de fotos. O adolescente foi ouvido ontem na 2ª Vara de Infância e Juventude, em Olaria.

Em depoimento informal, o jovem teria dito a policiais que age na região da Lagoa e gastava cerca de 40 minutos para levar as bicicletas roubadas até o receptador, em Manguinhos ou no Jacarezinho. Ele disse preferir roubar bicicletas com alto valor comercial, que eram revendidas para pessoas de dentro e fora das favelas.

Na quarta-feira, os agentes recuperaram 16 bicicletas. Segundo os inspetores, pelo menos 10 pessoas tentaram reconhecer os veículos.

Na 14ª DP (Leblon), o advogado Pedro Azevedo, 51, contou que teve sua bicicleta roubada no prédio onde mora, no Leblon, em dezembro. Um homem e um jovem tiveram suas imagens gravadas pelo circuito interno do edifício quando levavam a bicicleta. Ele não a encontrou. “É uma bicicleta que vale R$ 2 mil, mas não consegui achar”.

Jovem apreendido após assaltar ônibus no Centro

Outro caso de violência praticado por adolescente assustou ontem passageiros do ônibus 2100, da linha Niterói-Castelo. O assaltante, de 17 anos, foi apreendido após roubar 16 pessoas usando um revólver calibre 38.

O suspeito foi preso porque o comerciante Heraldo da Luz Júnior, 39, tomou a iniciativa de segui-lo. Ele desceu do ônibus e chamou policiais que estavam próximo.

“Só vi que ia ser roubado quando ele chegou ao meu lado e perguntou se eu era policial. Entreguei tudo porque ele disse que ia atirar na minha cabeça”, contou Heraldo.

O menor ainda trocou de roupa%2C mas foi capturado por PMsMárcio Mercante / Agência O Dia

Depois de render os passageiros, ele ameaçou o motorista para que abrisse a porta do ônibus. O adolescente entrou em um banheiro da rodoviária e trocou de roupa. Agentes do Batalhão de Policiamento de Áreas Turísticas (BPTur) o abordaram embaixo de um viaduto e, com ele, recuperaram 15 celulares e R$ 32.

O suspeito, que é de São Gonçalo, foi levado para a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente. “Ele não fez alarde. Agiu de forma fria e calculista. Parecia que era trabalho comum a cumprir”, afirmou Heraldo Júnior.

“Ele disse que foi o primeiro roubo porque não tinha oportunidade na vida”, contou outra vítima.

Últimas de Rio De Janeiro