Protesto na Ilha: moradores pedem prisão de policiais por mortes no Dendê

Grupo fez manifestação pacífica no Cocotá e garante que irá lutar por justiça

Por O Dia

Rio - Um grupo de moradores do Morro do Dendê, na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio, fez um protesto no Cocotá, por volta das 10h desta terça-feira, pedindo a prisão dos responsáveis pela morte do adolescente Gilson da Silva Santos, 12 anos, e do pescador Wanderson Jesus Martins, 23, na comundiade, há uma semana. 

Leia mais:

Parentes de vítimas no Dendê querem provar inocência

Freixo sobre mortes no Dendê: 'Agentes do estado destroçaram essas famílias'

Família volta a acusar policiais pela morte de pescador no Dendê

As vítimas foram mortas durante operação da Polícia Civil na comunidade com o objetivo de apreender máquinas caça-níquel e cumprir mandados de busca e apreensão. Em depoimento na Divisão de Homicídios, um dos agentes que estavam na ação confessou ter atirado nas vítimas. Ele ainda afirmou que os moradores estavam armados. As famílias negam a acusação e dizem que o menor e o pescador não tinham envolvimento com o crime. 

Um vídeo com o protesto realizado nesta manhã foi divulgado na página do Ilha Notícias no Facebook. As imagens foram registradas pelo leitor Abilio Junior. 

Em entrevista ao DIA, na semana passada, parentes de Wanderson Jesus Martins acusaram os policiais pelas mortes e garantiram que irão lutar por Justiça. Na sexta-feira (22), os familiares se reuniram com o deputado estadual Marcelo Freixo (Psol) na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). 

"Eles (Wanderson e Gilson) eram amigos e estavam nessa padaria que funciona no quintal de uma casa. O Wanderson tinha ido comprar pão para o seu filho ir para a escola. Quando o helicóptero da polícia começou a atirar, eles se esconderam dentro de um banheiro na padaria, com medo. Os policiais, que estavam a pé, mandaram eles saírem de dentro da padaria. Assim que o Wanderson saiu, os policiais atiraram contra ele. Eles deram um tiro primeiro na perna e depois na barriga", relatou.

De acordo com o familiar, o menor, que estava no chão do banheiro, viu o Wanderson ser morto pelos policiais. "Eles deram três tiros para dentro do banheiro. Um pegou na cabeça, outro atingiu o peito e o terceiro foi no braço da criança", disse. Ainda segundo o familiar, após atirarem nos dois moradores do Dendê, os policiais espalharam próximo aos corpos drogas que estavam em uma mochila que havia sido apreendida com traficantes.

Últimas de Rio De Janeiro