Falso médico é preso na Penha

Golpista usava jaleco e estetoscópio para furtar funcionários no Hospital Getúlio Vargas

Por O Dia

Rio - Policiais da 22ª DP (Penha) prenderam ontem à tarde o golpista Marco Aurélio Gil Ferreira, de 49 anos. O bandido se fazia passar por médico no Hospital Getúlio Vargas, na Penha, onde tinha trânsito livre e se apresentava como Doutor Guilherme.

“Ele tinha acesso às dependências do hospital e roubava pertences dos funcionários. Acabou sendo identificado por uma das vítimas e flagrado pelas câmeras de segurança do hospital. Os vigilantes, então, o detiveram e trouxeram para a delegacia”, contou o delegado titular da 22ª DP, Reginaldo Guilherme da Silva.

Uma enfermeira, vítima de um furto, identificou o falso médico. Ela se surpreendeu ao vê-lo no alojamento da enfermagem, com jaleco e estetoscópio. Questionado sobre o motivo de sua presença ali, o golpista respondeu que havia entrado rapidamente para ir ao banheiro.

Marco Aurélio Gil foi preso por vigilantes e levado para a 22ª DPJoão Laet / Agência O Dia

Desconfiada, a enfermeira olhou ao redor e viu que várias bolsas estavam reviradas. Ao chamar uma das colegas, dona de uma das bolsas, as duas constataram que alguns pertences haviam sido furtados pelo falsário. “É falso médico, mas um picareta profissional. O pior é que ainda usou meu nome, Doutor Guilherme. Vê se pode?”, brincou o delegado Reginaldo Guilherme.

Na delegacia, os policiais levantaram a ficha criminal de Marco Aurélio e encontraram nada menos que dez passagens pela polícia, por furto, falsificação de documentos e uso de documentos falsos.

Pelos crimes, o falsário foi para a cadeia três vezes. Na primeira vez, durante quatro anos, entre 2003 e 2007. No ano seguinte, acabou detido novamente e ficou até 2012 atrás das

Em fevereiro deste ano, foi preso pela terceira vez e ficou detido por apenas 20 dias. O delegado admitiu que, por uma brecha da lei, o bandido provavalmente ficará pouco tempo na cadeia e acredita que em breve estará aplicando novos golpes na cidade.

“Uma coisa é você receber determinados benefícios por ser réu primário. Outra é continuar recebendo os mesmos benefícios com tantas reincidências. Por ter cometido crimes de menor potencial ofensivo, se o advogado for no plantão judiciário, de repente consegue a soltura no mesmo dia”, lamentou o delegado.

Apresentado pelos policiais à equipe de reportagem do DIA, Marco Aurélio Gil Ferreira, o falso Doutor Guilherme, não quis dar declarações.

Colaborou Vinícius Amparo

Últimas de Rio De Janeiro