Por adriano.araujo

Rio - O projeto do então governador Sérgio Cabral que entrará em pauta em junho promete render muita briga na Assembleia Legislativa: prevê punições para funcionários públicos e estabelecimentos privados — lojas, fábricas, hotéis — que discriminarem homossexuais.

Já foram apresentadas 117 emendas — algumas ampliam direitos de gays, outras descaracterizam o projeto. O texto prevê até cassação de registro de empresas que, por exemplo, reprimam manifestações de afeto entre pessoas do mesmo sexo e “pessoas de ambos os sexos”.

Líder recua

Evangélico, Edson Albertassi avisou que, mesmo como líder do governo, não tem como defender a proposta, baseada num projeto original de Carlos Minc e do então deputado Sérgio Cabral.

Você pode gostar