Polícia identifica acusados da morte de estudante de Biologia em Botafogo

Anderson Leandro Bernardes, 32 anos, e William Augusto Nogueira, 27, tinham sido presos em uma operação contra roubos na Zona Sul há 12 dias

Por O Dia

Rio - A Divisão de Homicídios do Rio identificou nesta quarta-feira dois homens acusados de participação na morte do estudante de Biologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Alex Schomaker Bastos, em janeiro deste ano, em um ponto de ônibus na Rua General Severiano, em Botafogo, Zona Sul do Rio, em frente ao campus da Urca. Anderson Leandro Bernardes, de 32 anos, e William Augusto Nogueira, 27, tinham sido presos no dia 22 de maio em uma operação policial de combate a roubos na região. A informação é da família da vítima, que vai processar o estado pela morte do jovem

De acordo com a mãe de Alex, a professora Mausy Schomaker, um policial da DH informou à família por telefone sobre a identificação dos suspeitos no início da noite desta quarta-feira. Após investigações depois da prisão de Anderson e de William, a polícia concluiu sobre a participação deles no assassinato do estudante. O jovem teve o celular roubado quando esperava um ônibus na saída da faculdade e foi alvejado com sete tiros.

William Augusto Nogueira foi identificado em ponto de ônibus na Rua General SeveraianoDivulgação

"Não estamos felizes, mas achamos que essas prisões representam uma etapa vencida pela polícia na investigação da morte do meu filho", disse a mãe. "O sentido da justiça vai além da prisão desse assassinos. Nosso desejo de justiça quer alcançar muito além disso. Quer alcançar os governantes, quer alcançar o poder público que nos abandonou a própria sorte", completou o jornalista Andrei Bastos, pai do estudante, durante entrevista em um escritório em Botafogo na madrugada desta quinta-feira.

Ainda segundo a mãe de Alex, a família vai entrar com uma ação por danos contra o Estado. O objetivo tem cunho político e não financeiro, segundo os pais do estudante, e visa provocar o poder público no cumprimento de seu papel e de chamar a população a exigir a prestação eficaz dos serviços a população carioca.

"A ação será contra o estado-município, o estado-estado, como co-responsáveis pela morte do Alex. Ele levou sete tiros em um lugar escuro, sem árvores podadas, sem policiamento. Se estivesse iluminado, como está agora, da diferença que é hoje com a instalação da praça Alex Schomaker, poderia ser diferente. A simples poda de árvore tem que fazer parte do sistema de segurança da cidade. E a população tem que cobrar isso do poder público", defendeu Mausy, que conclamou a população de bem, em caso de vítima de violência, a fazer o mesmo.

Os pais estudante relembraram do filho. Orgulhos, eles se emocionaram ao lembrar da inteligência e da aplicação de Alex aos estudos, no estágio e na realização de projetos futuros. O pai lembrou do sonho do filho de fazer um doutorado em doenças raras na Finlândia, da dedicação dele no estágio no Colégio de Aplicação da UFRJ, onde quase dobrou a carga obrigatória de horas/aula; e da conclusão do curso. Eles mostraram o certificado de conclusão do curso de Biologia da UFRJ e da carta de recomendação do CAp.

Pais de Alex Schomaker dizem que vão processar o estado. "Como co-responsáveis pela morte do Alex"%2C diz mãe do jovemOsvaldo Praddo / Agência O Dia

Mausy Schomaker, por sua vez, mostrou as tatuagens que fez nos braços: um símbolo nórdico da força e a árvore da vida, do naturalista britânico Charles Darwin., desenhos que Alex também tinha marcado no corpo. "Ele gostava muito da mitologia nórdica", lembrou a mãe.

William e Anderson foram presos por policiais da 10ª DP (Botafogo), com apoio de policiais militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Jacarezinho na madrugada do dia 22 de maio. Segundo investigações da época, eles realizavam roubos em uma motocicleta nos bairros de Botafogo e do Flamengo, na Zona Sul da cidade. Na ocasião, a delegada Bárbara Lomba, titular da delegacia, os presos agiam na área utilizando armas de fogo. Junta, a dupla é apontada como autora de roubo em mais de dez inquéritos da unidade. A

Últimas de Rio De Janeiro