Tiroteio na Linha Vermelha deixa motoristas em pânico

Carros chegaram a voltar em direção ao Centro pela contramão

Por O Dia

Rio - O fim do feriado foi de pânico para motoristas que passaram pela Linha Vermelha para voltar para casa. Um intenso tiroteio entre traficantes e policiais, na altura do Caju, parou o trânsito e fez com que muitos veículos tentassem voltar pela contramão. A cena há muito tempo não era vista na região, ocupada pelas forças de segurança desde 2013: militares da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Complexo do Caju tiveram que deitar no asfalto para se abrigar dos tiros atrás da mureta de concreto que divide as pistas.

Segundo informações dos policiais, eles patrulhavam a localidade conhecida como Peixaria, quando foram alvo de tiros dos criminosos. Os agentes revidaram. Um homem, que pediu para não ser identificado, registrou a imagem dos policiais na via e enviou para o WhatsApp do DIA (98762-8248). Com medo de ser alvejado, ele parou o carro próximo aos policiais e também se abrigou junto à mureta da pista. Ninguém ficou ferido na ação.

PMs da UPP local se abrigaram na mureta da pista da Linha Vermelha%2C na altura do Caju WhatsApp O DIA

Uma mulher voltava de táxi de uma festa e foi surpreendida com o barulho dos tiros, criticou o fato de a polícia não ter fechado a via durante o confronto. “Ao entrar na Linha Vermelha, na altura do Complexo da Maré, escutei o tiroteio. Como o trânsito não estava bloqueado, prosseguimos. Adiante, demos de frente com os policiais no chão, abaixados atrás da mureta e trocando tiros. Só deu tempo do motorista frear ao carro. Fiquei alguns segundos sem ação e, logo depois, me joguei no chão do carro”, contou ela.

A passageira acrescentou que, no momento da confusão, o taxista deu ré e seguiu na contramão. “Na minha opinião, os policiais erraram em não bloquear a Linha Vermelha. Ao sair do fogo cruzado, alertei outros motoristas que passavam. Foi um susto muito grande porque nunca passei por isso. Me senti totalmente impotente”, desabafou.

O Comando de Polícia Pacificadora (CPP) Caju afirmou que não houve necessidade de interdição da via e o policiamento nos acessos foi reforçado. Ainda de acordo com o CPP, os criminosos não forma localizados até a noite de ontem.

Bandido preso dá ordens

De acordo com a polícia, um dos criminosos que está à frente da quadrilha do Caju é Paulo Castilho Correia Filho, o Playboy. Ele foi preso em setembro do ano passado por policiais da UPP local. Apesar de preso, ele continuaria dando ordens aos comparsas.

Investigações apontam que o criminoso, mesmo preso, teria dado ordens ao bando que invadiu o Complexo da Maré e travou confronto intenso com criminosos de facção rival, em outubro. Na ocasião, alguns dos bandidos fugiram pela Fiocruz e militares do Exército e da PM tiveram que fechara a Avenida Brasil por alguns minutos, para evitar que motoristas se ferissem. A guerra entre as quadrilhas para retomar territórios da venda de drogas na Maré durou alguns dias e deixou moradores assustados.



Últimas de Rio De Janeiro