Ambientalistas promovem 'apitaço' para tentar salvar a Baía de Guanabara

Inconformado com promessas não cumpridas de despoluição da área, grupo fez um ato simbólico na Enseada de Botafogo

Por O Dia

Rio - A pouco mais de um ano dos Jogos Olímpicos de 2016, ambientalistas e cariocas se mobilizaram para pedir mais investimentos para a despoluição da Baía de Guanabara, palco das provas de vela. Comandado pelo biólogo Mário Moscatelli, ontem o grupo promoveu um ato simbólico na Enseada de Botafogo.

Vasos sanitários%2C uma faixa preta e palavras sobre gastos inúteis decoraram a areia durante o protesto%2C que ainda teve desfile de caiaques e pranchas João Laet / Agência O Dia

“São anos e anos de descaso. Sempre temos a despoluição das águas condicionada a uma nova remessa bilionária e a décadas à frente. Isto tem que acabar. Quem vai pagar pelas promessas feitas e não realizadas?”, perguntava o biólogo, de dentro d’água, com ajuda de um megafone.

Os presentes fizeram um ‘apitaço’ nas areias, ‘decoradas’ com vasos sanitários, uma longa faixa preta que simbolizava uma língua negra e uma outra com os dizeres “Um bilhão de dólares e continua tudo imundo”. Praticantes de esportes aquáticos, com os polegares virados para baixo, desfilaram com caiaques e pranchas. Moscatelli tinha em mãos um relatório preparado por ele, um raio-X das águas feito a partir de um sobrevoo pela região.

O documento, que relata, entre outros problemas, pontos de despejo irregular de esgoto e ocupação desordenada de encostas, foi entregue a uma representante da Comissão de Direto da OAB, Christianne Bernardo. Caberá ao órgão encaminhar essas informações ao Ministério Público e à Secretaria Estadual de Meio Ambiente. A advogada prometeu empenho. “Até a Olimpíada teremos facilidade para captar recursos. A hora é esta”, garantiu ela.

Na campanha para sediar os Jogos Olímpicos de 2016, o governo do Rio prometeu reduzir em 80% o lançamento de esgoto na Baía de Guanabara, mas essa meta está longe de ser atingida. Em 20 anos, R$ 10 bilhões já foram gastos na tentativa de despoluir o local.

Últimas de Rio De Janeiro