Jovens presos durante festa no Recreio são transferidos para prisão em Bangu

Sheran Raphael Del Corona Brugioni, Luiz Augusto Pinheiro Heyerdahl e Lucas Gonzaga Assaf Nazareth são acusados de tráfico de drogas e pena do trio pode chegar a 15 anos

Por O Dia

Rio - Os universitários presos no último domingo, durante uma festa no Recreio dos Bandeirantes, foram transferidos para um presídio. Sheran Raphael Del Corona Brugioni, de 20 anos, Luiz Augusto Pinheiro Heyerdahl Cesário da Costa, 22, e Lucas Gonzaga Assaf Nazareth, 20, estão na Cadeia Pública José Frederico Marques, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu. O trio foi indiciado por tráfico de drogas.

Acusados de tráfico de drogas%2C os três jovens foram presos no domingo%2C durante uma festa no Recreio dos Bandeirantes e levados depois para o Complexo Penitenciário de GericinóDivulgação / Polícia Civil

Os jovens foram surpreendidos por policiais da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod) enquanto davam uma festa na casa do aluno de engenharia da PUC, Sheran Raphael, na Rua Clementina de Jesus. No local foram encontrados meio quilo de maconha, narguilés e LSD, além de balanças para pesar a droga e réplicas de pistola e fuzil. Luiz Augusto e Lucas Gonzaga cursam publicidade e direito, respectivamente.

LEIA MAIS: Universitários são presos no Recreio acusados de tráfico de drogas

De acordo com o delegado Henrique Damasceno, assistente da Dcod, a especializada recebeu denúncias de vizinhos do local. Segundo eles, as festas nos finais de semana eram "regadas a bebidas alcoólicas, drogas e orgias, incluindo menores de idade".

Na residência aonde acontecia a festa%2C no Recreio dos Bandeirantes%2C os policiais apreenderam drogas%2C balança%2C narguilés e réplicas de pistola e fuzilDivulgação / Polícia Civil

Advogado de Luiz Augusto, Carlos Nicodemos disse que caberá a um juiz determinar se eles podem responder ao processo fora da cadeia. A pena para tráfico de drogas é de cinco a 15 anos de prisão. “Não queremos partir da premissa de que é tráfico. É preciso ver se eles são usuários ou se comercializam”, explicou Nicodemos.

Últimas de Rio De Janeiro