Câmara dos Vereadores instaura 'CPI da Bike'

Comissão irá investigar denúncias de desmontes e venda de peças de bicicletas roubadas

Por O Dia

Rio - A 'CPI da Bike' foi instalada nesta sexta-feira na Câmara dos Vereadores e já definiu seu cronograma de ação. Presidida por Jefferson Moura (Psol), a Comissão irá investigar denúncias de desmonte e venda de peças de bicicletas roubadas e fatos relacionados à segurança dos ciclistas do Rio. Uma das propostas é a da criação de uma Delegacia de Atendimento Especializado ao Ciclista.

Força-tarefa de agentes da 10ª DP (Botafogo) com ativistas pretende devolver bicicletas roubadas aos legítimos donosCarlo Wrede / Agência O Dia

"Recentemente a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) incluiu o roubo de bicicleta nas estatísticas oficiais da Polícia Civil. Há hoje a venda e revenda de peças roubadas de bicicletas, e uma delegacia seria o ideal para centralizar estes dados", afirmou Moura, que pediu uma reunião com o secretário de Segurança Pública José Mariano Beltrame na próxima semana para tratar do assunto.

Segundo o presidente da CPI, em breve a Comissão apresentará um relatório com informações referentes aos anúncios de compra e venda de peças em sites na Internet, muitas vezes sem a apresentação de notas fiscais. Também estão previstas vistorias às ciclovias da cidade, com o objetivo de avaliar as condições de segurança.

Participam da CPI, além de Jefferson Moura, os vereadores Rosa Fernandes (Solidariedade), Zico (PTB), Marcio Garcia (PR) e Alexandre Isquierdo (PMDB).

Plano de ação da CPI

1) Realizar levantamentos de dados e requerer ao Poder Público as informações dos projetos e iniciativas que visem estimular o uso da bicicleta, levando em conta as necessidades dos ciclistas e dos pedestres no lazer, no esporte e como modal de transporte.

2) Promover audiências públicas e debates com representantes do Poder Púbico, dos ciclistas, dos cicloativistas, bem com representantes da sociedade civil organizada.

3) Apurar denúncias de empresas que comercializam irregularmente peças e bicicletas para buscar mecanismos que inibam tais práticas.

4) Fomentar parceria entre o Poder Público e os sites que comercializam peças ou bicicletas, para que cobrem no ato da negociação, ou divulguem em quadro próprio, o número da nota fiscal, a exemplo do que foi concretizado entre Anvisa e sites de comércio on-line para inibir a venda de medicamentos ilegais, sem receita médica ou ineficazes no país

5) Realizar ações de educação no trânsito, inserindo a bicicleta como um modal sustentável de transporte na cidade do Rio de Janeiro, a exemplo de outras grandes metrópoles.

6) Propor à Secretária Estadual de Segurança a criação de uma Delegacia de Atendimento Especializado ao Ciclista e à Guarda Municipal a criação de um Grupamento Ciclístico de Patrulhamento e Segurança na cidade.

7) Vistoriar a malha cicloviária de nossa cidade a fim de analisar suas condições de segurança.

8) Para além da elaboração do relatório final das CPIs, a CPI da Bike irá elaborar, em conjunto com os diversos atores envolvidos com a discussão, um caderno de sugestões que será entregue ao Poder Executivo.

9) Organizar a apresentação do conjunto de ações, iniciativas, projetos e programas referentes a utilização da bicicleta como modal de transporte a fim de subsidiar a formulação do Plano de Mobilidade Urbana Sustentável do Rio de Janeiro.

Últimas de Rio De Janeiro