Três suspeitos de roubo são detidos no Cachambi

Com eles, policiais do 3º BPM (Méier) apreenderam duas pistolas e um rádio transmissor

Por O Dia

Rio - Uma perseguição policial terminou com intenso tiroteio, ontem de manhã, no Cachambi. Os tiros feriram um dos criminosos em fuga, após o roubo de um veículo, e um morador foi baleado na janela de sua casa. Dois suspeitos foram presos.

Policiais do 3º BPM (Méier) foram alertados sobre o roubo de uma Hillux prata, placa LRT 5929. Ao tentarem interceptar o veículo, a perseguição começou. O carro bateu em um poste e três homens desceram já atirando contra os PMs. Marlon de Souza Lopes, 25, foi baleado na perna e logo capturado.

Os outros dois acusados, Eduardo Rocha da Silva, 25, e Alessandro Diego de Lima, 23, correram tentando fugir, mas foram pegos pelos policiais pouco à frente. Um quarto suspeito conseguiu escapar.

Na fuga%2C os criminosos bateram em um muro com o carro roubado%2C que teve parte da lataria destruídaEstefan Radovicz / Agência O Dia

Na troca de tiros com a PM, um homem ainda não identificado, que via toda a ação pela janela de casa, foi ferido no braço por um tiro. Ele foi levado para o Hospital Salgado Filho, no Méier.

Até serem presos, os criminosos já tinham roubado outros dois veículos: um EcoSport, abandonado na Rua Getúlio, e um táxi. “Fui rendido na Praça Havaí. Eles queriam que eu os tirasse daquele cerco. Pensei que ia morrer, mas só tenho a agradecer aos policiais”, disse o taxista João Carlos Almeida, 44.

A pedagoga Michele Aranda, 36, , também passou por um grande susto. Ela havia estacionado o carro na Rua Garcia Redondo para ir a um caixa eletrônico. Ao sair do banco, ouviu o tiroteio. Quando chegou no carro, viu que ele estava perfurado pelos tiros. “Era vidro estilhaçado e buraco de bala para tudo que é lado. Nasci de novo”.

A engenheira civil, Telma de Almeida Rodrigues, 38, foi outra vítima do bando. Mas, num assalto sofrido no último dia 27. Ontem, ela passava próximo à Rua Cachambi quando ouviu os tiros e se abrigou em um mercado. Ela viu Marlon baleado e reconheceu seu rosto.

“Eles nos renderam e pediram que eu dirigisse. Roubaram cartão, celular, cheque, tudo o que estava na minha bolsa. Pediram minha senha e fizeram vários saques. Ficamos rodando quase uma hora. Foi horrível”, lembrou Telma, que na ocasião registrou a ocorrência na 24ª DP (Piedade). Ontem, ela disse que fez questão de ir à delegacia prestar seu depoimento.

Marlon está internado sob custódia, no Hospital Municipal Salgado Filho. Os presos foram levados para a 25ª DP (Engenho Novo) e de lá serão encaminhados a um dos presídios do Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu. “Eles vão responder por formação de quadrilha, roubo a veículos e lesão corporal”, explicou a delegada Carolina Marins.

Reportagem de Nina Maia

Últimas de Rio De Janeiro