Vítima de intolerância atingida por pedra está com medo de usar branco, diz avó

Kailane, candomblecista de 11 anos, foi atingida por pedra na cabeça quando voltava do centro que frequenta na Zona Norte

Por O Dia

Rio - Atingida por uma pedra na cabeça por usar trajes típicos do candomblé — a roupa branca — Kailane, de 11 anos, ainda tenta superar a agressão, sofrida no último domingo. Desde o episódio, ela evita usar a vestimenta que representa a sua religião. 

"Fisicamente ela está bem, só as vezes na hora de dormir que ainda sangra um pouco. O psicológico que está complicado. Ela não quer colocar branco nem para ir ao portão", disse Kathia Coelho Maria Eduardo, avó de Kailane e conhecida no centro que ambas frenquentam como Vó Kathi.

LEIA MAIS: Intolerância religiosa leva menina a ser apedrejada na cabeça

Menina de 11 anos%2C candomblecista%2C foi atingida por uma pedra na cabeça por um grupo de evangélicos%2C segundo testemunhasReprodução Facebook

A menina foi atingida após deixar o Centro Inzo Ria Lemdá Angola Tumbajunsara, na Vila da Penha, por um grupo de evangélicos, segundo testemunhas. Entretanto, Vó Kathi evita condenar qualquer religião.

"O sentimento é de repúdio pela atitude. Mas não estou atacando igreja nenhuma, são casos isolados de pessoas que usam as religiões para cometer crimes. Eles são criminosos, pessoas doentes, sem Deus", desabafou a candomblecista praticante há 36 anos.

Passeata será realizada nesta sexta-feira

Nesta sexta-feira, às 19h, um grupo formado por ogãs — protetores e prestadores de serviços dentro das religiões afro — realizará uma passeata para protestar contra a intolerância religiosa. Os manifestantes vão se concentrar no Largo do Bicão, na Vila da Penha, e percorrerão toda a Avenida Meriti, onde aconteceu o episódio, até a Praça do Cimento Branco, em Cordovil.

Segundo Elmo Banda de Muká, que organiza o ato, o caso com a menina Kailane é intolerável. "É lamentável. Minha mãe é zeladora (mãe de santo) e meu pai é evangélico. E vivemos em harmonia. Cada um seguiu a sua religião. Aconteceu na Bahia e agora no Rio. Isso não é da religião e sim da índole da pessoa. Queremos dar um basta nisso", disse.

Últimas de Rio De Janeiro