Líderes religiosos lamentam morte de médium do Lar de Frei Luiz

'Está aflorando uma gama de preconceito e ódio a tudo que se considera diferente', disse o pastor Marcos Gladstone

Por O Dia

Rio - Uma vida dedicada à cura e à caridade terminou de forma brutal. O médium Gilberto Arruda, de 73 anos, um dos mais antigos e respeitados do centro espírita Lar de Frei Luiz, na Taquara, foi encontrado morto na manhã de ontem, com as mãos amarradas à cama, amordaçado e com sinais de espancamento. O corpo estava no quarto da vítima, numa das casas dentro do próprio centro, e foi achado pela viúva, Marli.

O médium Gilberto Arruda%2C de 73 anos%2C foi encontrado morto na manhã desta sexta-feira%2C no interior do Centro Espírita Lar de Frei Luiz na TaquaraReprodução

Investigadores não descartaram nenhuma hipótese para o crime, apesar de fontes da polícia terem dito que a possibilidade de crime de intolerância religiosa não ser a principal linha de investigação.

Por volta das 7h, Marli entrou em contato com o presidente do centro espírita, Wilson Vasconcelos Pinto, que acionou a polícia. Duas horas depois, homens do 18º BPM (Jacarepaguá) e da Delegacia de Homicídios (DH) chegaram ao local. O quarto da vítima foi periciado e o corpo de Gilberto removido à tarde para o Instituto Médico-Legal (IML).

Lideranças religiosas comentaram a morte do médium. “Está aflorando uma gama de preconceito e ódio a tudo que se considera diferente, o que é grave. Não é possível que a causa dessa morte tenha sido mais um caso de intolerância religiosa”, disse o pastor Marcos Gladstone, da Igreja Contemporânea.

“O Conselho Espírita do Rio lamenta a perda. Estamos tristes e perplexos”, disse Hélio Ribeiro, diretor da entidade. “Toda agressão à vida deve ser condenada. A violência é a falta de Deus no coração”, disse o pastor Lélio Washington, representande da Assembleia de Deus. Em um livro sobre o trabalho do médium, há informações de que Gilberto teria sofrido agressões em sessão espírita.

Chocados, os dirigentes e frequentadores do Lar de Frei Luiz tentavam entender o que aconteceu. Gilberto era tido como um homem de bem, calmo, que dedicou a vida a ajudar as pessoas. Ele era médium da casa desde os seis anos de idade.

“Como alguém que dedicou sua vida à cura e à caridade passa por uma coisa dessas? Não sabemos o que aconteceu. Ele não tinha inimigos e vivia para a sua missão de cura. Por isso, inclusive, saía pouco, não fumava, não bebia”, afirmou Wilson, que ressaltou não acreditar em intolerância religiosa.

Em nota, a DH informou apenas que a perícia foi realizada, que fará diligências para tentar identificar o autor do crime e que familiares e testemunhas serão ouvidos. O centro espírita também divulgou nota. “Os fatos sobre a desencarnação do médium Gilberto estão sendo apurados pelas autoridades competentes e somente após a conclusão das investigações poderemos saber o que de fato aconteceu.”

O corpo de Gilberto foi removido do Lar Frei Luiz após perícia. O exame do IML vai revelar a causa da morteFabio Gonçalves / Agência O Dia

O corpo de Gilberto será velado e enterrado, às 11h de hoje, no próprio centro espírita. “Apenas o fundador do Lar, Luiz da Rocha Lima, e o médium Ivan de Castro, que iniciou os trabalhos na casa junto a Gilberto, estão enterrados aqui”, afirmou Wilson.

Últimas de Rio De Janeiro