Prisão de presidentes de empreiteiras provoca pânico no meio político

Nome da operação deflagrada pela Polícia Federal foi interpretado como uma senha para novas detenções

Por O Dia

Rio - A  prisão dos presidentes da Odebrecht e da Andrade Gutierrez gerou pânico no meio político. O nome da operação deflagrada pela Polícia Federal — Erga Omnes, que significa “vale para todos” — foi interpretado como uma senha para novas detenções. Como a lista de empresários presos parece estar completa, agora seria a vez de políticos.

Há o temor de que Marcelo Odebrecht, o principal executivo da empresa, decida contar o que sabe. Isto comprometeria parlamentares e governantes de quase todos os partidos.

Na mira de Moro

Lula é um dos mais preocupados. Petistas dizem que movimentos do juiz Sérgio Moro indicam para uma ação contra ele.

Riu por último

Fernando Cavendish, dono da antiga Delta, ainda não entrou na Lava Jato: era detestado por empreiteiros por não formar cartéis. Em licitações, oferecia preços baixos e, depois, conseguia aditamentos que elevavam seus ganhos.

Curtidas em segredo

Mulher do procurador Júlio Marcelo de Oliveira, que recomendou a rejeição das contas de Dilma Rousseff, Helena Letayf Farhat restringiu o acesso ao seu perfil no Facebook. Ontem, o Informe mostrou que seu marido havia curtido fotos que ela postara de manifestações pró-impeachment da presidenta.

Internação 1

O jornalista Villas-Bôas Corrêa, 91 anos, passou por maus momentos ao ser internado na Fundação Bela Lopes de Oliveira, em Botafogo. Esperou seis horas por um quarto, período em que não recebeu soro ou água. E foi amarrado na cama quando a cuidadora saiu para telefonar.

Internação 2

Pai de Pezão, Darcy, de 88 anos, seria operado ontem por conta de um sangramento intestinal.

Últimas de Rio De Janeiro