Motociclista é morto a tiros no Santo Cristo

Leonardo Neves de Almeida foi atingido por seis tiros dados por ocupante de uma outra moto na Avenida Francisco Bicalho

Por O Dia

Rio - Um motociclista foi morto a tiros na Avenida Francisco Bicalho, na altura da escola de samba Unidos da Tijuca, no Santo Cristo, Zona Portuária da cidade, na manhã desta terça-feira. Leonardo Neves de Almeida, de 38 anos, foi atingido por seis tiros, inclusive na cabeça, disparados por uma pessoa em outra moto na pista sentido Avenida Brasil, por volta das 7h.

De acordo com um guarda municipal, que estava no lado oposto da via organizando o trânsito, Alexandre chegou a andar ainda por cerca de 200 metros antes de cair e morrer. A Polícia Militar foi acionada, mas o atirador conseguiu fugir. O local foi isolado e a Delegacia de Homicídios assumiu as investigações. Agentes da Polícia Civil chegaram ao local somente às 9h45 para a realização da perícia. As cápsulas da arma usada no crime, uma pistola 9mm, foram abandonadas na via.

Motociclista foi morto a tiros na Avenida Francisco Bicalho%2C no Santo CristoSeverino Silva / Agência O Dia

Segundo Leandro de Almeida, o irmão da vítima, ele cumpria semiaberto e trabalhava como operador de empilhadeira em Niterói, para aonde se dirigia quando foi atacado. "Estou muito abalado, ele tinha um filho de 16 anos. Era um cara totalmente da paz, uma pessoa tranquila", disse.

Segundo a Delegacia de Homicídios da Capital (DH), a perícia já foi realizada e o corpo encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML). Agentes tentam localizar imagens de câmeras de segurança e testemunhas que auxiliem na identificação do autor do crime.

Cumpria pena por tráfico de drogas

O Tribunal de Justiça informou que Leonardo foi preso em 2010 e estava no semiaberto desde 2012, em cumprimento de pena por duas anotações por tráfico de drogas. Sua pena terminaria em 22 de maio de 2018.

De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), Leonardo cumpria o semiaberto no Instituto Penal Cândido Mendes, no Centro do Rio. Ele deixava a unidade às 7h e tinha que voltar às 21h. Leonardo, que nos processos também é identificado pelos vulgos de 'Leon', 'Leão', 'Monstro' e 'Léo', recebeu em 2013 autorização para trabalhar em uma empresa no bairro Fonseca como motoboy.

Leonardo Neves de Almeida tinha 38 anos e cumpria regime semiaberto por associação ao tráfico. Ele estava a caminho do trabalho de moto quando foi atingido por seis tirosSeverino Silva / Agência O Dia


Últimas de Rio De Janeiro