Contratações para a Olimpíada vão priorizar 37 mil alunos da Faetec

Acordo prevê contratação de técnicos formados pela instituição para trabalhar na Olimpíada

Por O Dia

Rio - Alunos da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec) terão prioridade em vagas de emprego geradas para a Olimpíada, conforme acordo de cooperação técnica assinado ontem entre a instituição e o Comitê Organizador dos Jogos Rio 2016. A expectativa é que 37 mil profissionais formados em aproximadamente 40 cursos — como de garçom, cozinheiro e técnico em eventos — sejam aproveitados. Segundo a Faetec, as contratações começam ainda este ano para atender as demandas dos eventos-teste.

O acordo prevê a criação de um banco de dados de profissionais formados pela fundação. Ele servirá de guia para as empresas contratadas para prestar serviços durante os Jogos selecionarem a mão de obra, de acordo com o presidente da Faetec, Wagner Victer.

Nuzman%2C do Comitê Olímpico Brasileiro%2C e o governador Pezão%2C na assinatura do acordo%3A legado para o RioAlexandre Brum / Agência O Dia

Quem frequentar as próximas turmas dos cursos, que têm duração entre dez e 20 semanas, também será incluído no banco de dados, conforme forem se formando, segundo o presidente da Faetec. “Estamos fazendo uma coisa simples, que precisava ser feita e que vai beneficiar os jovens de nossa rede, que terão no currículo a Olimpíada de 2016. Imagine um jovem padeiro que nunca trabalhou ter como primeiro emprego a experiência nos Jogos”, comentou Victer.

O presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman, considera estas oportunidades de trabalho e qualificação como um legado dos Jogos Olímpicos do Rio. “Fala-se muito em legado e esse talvez seja um dos mais importantes, o de abrir as portas para a qualificação profissional de jovens, para a melhoria de nossos serviços”, comentou o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, durante a cerimônia que celebrou o acordo ontem no Palácio Guanabara.

O governador Luiz Fernando Pezão disse que a iniciativa contribuirá de diversas maneiras para o estado, mas destacou os benefícios para a segurança pública. Pezão disse que os anos que se seguiram à pacificação de comunidades foram os melhores em números para a segurança porque os jovens tinham emprego.

Alunos que entrarem na Faetec e se formarem podem participarDivulgação

“Foram os melhores anos dentro da segurança pública porque foram criadas oportunidades de trabalho dentro das comunidades. Então, o negócio é fazer com que a gente volte cada vez mais a gerar emprego para nossa população. Temos que dar a chance às pessoas”, disse o governador. A Faetec conta com 19 centros em áreas com Unidades de Polícia Pacificadora (UPP).

Últimas de Rio De Janeiro